Transnacionalização das relações de trabalho: o caso da maquila estadunidense Johnson Controls (plantas FINSA e interiores) e o papel da Federação Internacional de Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas (FITIM)

A internacionalização das empresas se fortaleceu a partir da década de 1970. Ao longo de tal processo, na era ―pós-fordista‖ ou da ―acumulação flexível‖, as cadeias produtivas das multinacionais se tornaram crescentemente descentralizadas, intensificando a divisão internacional do trabalho já existe...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2012
Main Author: Espósito, Katiuscia Moreno Galhera [UNESP]
Orientador/a: Carvalho, Carlos Eduardo Ferreira de [UNESP], Vigevani, Tullo [UNESP], Crivelli, Ericson [UNESP]
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://hdl.handle.net/11449/122192
Citação:ESPÓSITO, Katiuscia Moreno Galhera. Transnacionalização das relações de trabalho: o caso da maquila estadunidense Johnson Controls (plantas FINSA e interiores) e o papel da Federação Internacional de Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas (FITIM). 2012. 172 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília, 2012.
Resumo Português:A internacionalização das empresas se fortaleceu a partir da década de 1970. Ao longo de tal processo, na era ―pós-fordista‖ ou da ―acumulação flexível‖, as cadeias produtivas das multinacionais se tornaram crescentemente descentralizadas, intensificando a divisão internacional do trabalho já existente. Assim, por exemplo, trabalhadores no Paquistão, enfrentando baixos salários e ambiente pouco propício à sindicalização, contribuem, ainda que não intencionalmente, para o aumento da desigualdade de renda no mundo. Os sindicatos, por seu turno, têm testemunhado a queda geral dos níveis de sindicalização e a constante desregulamentação do trabalho, que, por sua vez, têm afetado inclusive os direitos historicamente conquistados por trabalhadores de países onde o ―diálogo social‖ é considerado avançado, como na Alemanha. Afinal, não interessa às empresas o emprego de mão-de-obra cara, com os altos custos da seguridade social alemã, quando operários paquistaneses podem fazer o mesmo trabalho a custos menores. Uma das estratégias dos sindicatos frente a esses processos é a atuação em nível transnacional, através de redes de informação, comunicação e mobilização globais. O objetivo da presente dissertação é compreender essas formas de organização sindical que atuam no plano transnacional: as Federações Sindicais Internacionais (FSIs), também conhecidas como Global Union Federations (GUFs). Mais especificamente, o exame será realizado sobre a internacionalização da campanha dos trabalhadores mexicanos em duas plantas (FINSA e Interiores) de uma maquila estadunidense, a Johnson Controls, e sobre o papel da Federação Internacional dos Trabalhadores da Indústria Metalúrgica (FITIM) nesse processo. Examinaremos os estudos de caso sob a luz da literatura que trata de Teoria Crítica,...
Resumo inglês:The internationalization of the companies has been strengthened from the 1970s. Throughout this process, in the ―post-fordist‖ or ―flexible accumulation‖ era, the production chains of multinational companies have become increasingly decentralized, intensifying the international division of labor. Thus, for example, workers in Pakistan, facing low wages and an environment unfavorable to unionization, contribute, although unintentionally, to increase income inequality in the world. The labor unions, in turn, have witnessed the general fall of unionization rates and the deregulation of labor, which have affected even the rights historically won by workers in countries where the social dialogue is considered advanced, like Germany. After all, it is not interesting to the companies the use of manpower with the high costs of German social security, when Pakistani workers can do the same job at a lower cost. One strategy of unions in the face of these processes is to operate at a transnational level, through global networks of information, communication and mobilization. The objective is to apprehend these new forms of labor organization which act transnationally: the Global Union Federations (GUFs). More specifically, this study will examine the internationalization of the campaign of Mexican workers in two production plants (FINSA and Interiores) of a North American maquila, Johnson Controls, and the role of the International Metalworkers‘ Federation (IMF) in this process. We will examine case studies under the light of the literature related to critical theory, transnational unionism, post-fordism/flexible accumulation, social networks and the role of the state. We intend to demonstrate the action of the international networks of trade unions and their results in the two proposed loci.