A questão da reforma agrária e do agronegócio, sob o aspecto da produtividade -: o caso da região de Ribeirão Preto-SP

O desenvolvimento do capitalismo brasileiro vem se sustentando numa divisão social do trabalho capaz, cada vez mais, de produzir, à base da monocultura e do grande imóvel, bens agrícolas para o mercado externo. O setor sucroalcooleiro da região de Ribeirão Preto-SP desponta como um dos pólos mais só...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2013
Main Author: Freire, Paulo Francisco Soares [UNESP]
Orientador/a: Pinassi, Maria Orlanda [UNESP]
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Assuntos em Português:
Online Access:http://hdl.handle.net/11449/88777
Citação:FREIRE, Paulo Francisco Soares. A questão da reforma agrária e do agronegócio, sob o aspecto da produtividade -: o caso da região de Ribeirão Preto-SP. 2013. 132 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2013.
Resumo Português:O desenvolvimento do capitalismo brasileiro vem se sustentando numa divisão social do trabalho capaz, cada vez mais, de produzir, à base da monocultura e do grande imóvel, bens agrícolas para o mercado externo. O setor sucroalcooleiro da região de Ribeirão Preto-SP desponta como um dos pólos mais sólidos dessa tendência. O elevado grau de produtividade econômica agrícola da região deu-se à custa de contradições sociais, dentre as quais se sobressai a superexploração do trabalho. Os critérios estipulados para aferir se um imóvel é produtivo ou improdutivo, baseiam-se em dados estatísticos de 1975/76 e até o hoje não foram atualizados, gerando mobilizações sociais de defesa da Reforma Agrária. As particularidades do desenvolvimento capitalista no Brasil levaram diversos setores da esquerda brasileira, a formularem teorias políticas de superação de nosso atraso econômico frente ao grande desenvolvimento das forças produtivas nos países capitalistas centrais. Este debate perpassa por diversas organizações de esquerda do Brasil, principalmente as ligadas ao campo (como o MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), isto o torna extremamente atual e necessário para compreendê-lo e superá-lo através do levantamento de desafios concernentes a esta problemática. A Reforma Agrária, no caso brasileiro, reclama para si uma tarefa muito além de atingir patamares de produtividade altíssimos, exigidos pelo padrão de produção e consumo de mercadorias exportáveis
Resumo inglês:The development of Brazilian capitalism has been sustaining a social division of labor capable, increasingly, to produce, based monoculture and large property, agricultural goods to foreign markets. The sugarcane sector in the region of Ribeirão Preto-SP emerges as one of the poles stronger this tendency. The high degree of economic productivity of the agricultural region occurred at the expense of social contradictions, among which stands out the overexploitation of labor. The criteria established to assess whether a property is productive or unproductive, are based on statistics from 1975/76 and until today have not been updated, generating social mobilizations in defense of Agrarian Reform. The particularities of capitalist development in Brazil led various sectors of the Brazilian left, to formulate political theories of overcoming our economic backwardness forward to the great development of the productive forces in the core capitalist countries. This debate goes through several leftist organizations in Brazil, mainly related to the field (such as the MST - Movement of Landless Rural Workers), this makes it extremely current and necessary to understand it and overcome it by surveying challenges concerning to this issue. Agrarian Reform in the Brazilian case, claims for itself a task far beyond reach very high levels of productivity required by the pattern of production and consumption of exportable goods