O papel conservador dos liberais: a ANL e os levantes nacional-libertadores e novembro de 1935 nas páginas do jornal O Estado de S. Paulo

Este trabalho pretende demonstrar como o discurso produzido pelo periódico O Estado de S. Paulo (OESP), entre 1930 e 1937, mais especificamente no ano de 1935, escolhido para essa análise, pôde influenciar a opinião pública, quando não formá-la, por meio de uma prática jornalística permeada de conce...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2012
Main Author: Bravo, Guilherme Pigozzi [UNESP]
Orientador/a: Cunha, Paulo Ribeiro Rodrigues da [UNESP]
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://hdl.handle.net/11449/88732
Citação:BRAVO, Guilherme Pigozzi. O papel conservador dos liberais: a ANL e os levantes nacional-libertadores e novembro de 1935 nas páginas do jornal O Estado de S. Paulo. 2012. 186 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília, 2012.
Resumo Português:Este trabalho pretende demonstrar como o discurso produzido pelo periódico O Estado de S. Paulo (OESP), entre 1930 e 1937, mais especificamente no ano de 1935, escolhido para essa análise, pôde influenciar a opinião pública, quando não formá-la, por meio de uma prática jornalística permeada de concepções ideológicas e de jogos de interesses. Cabe acrescentar que, nesse período, grande parte da imprensa, órgãos governamentais e a elite que detinha o poder consideravam o comunismo uma ameaça à sociedade brasileira. Apoiando as medidas excepcionais advindas do governo Vargas, justificadas pelo combate ao “perigo bolchevique”, o jornal, que sempre se colocou como defensor das liberdades democráticas, declarava abdicar, temporariamente, de seus ideais, para garantir a ordem social. Para os representantes do jornal, a manutenção da “paz social” pautava-se pela completa eliminação dos “inimigos da propriedade privada”, ou seja, os comunistas, e pelo controle político e ideológico da classe operária, o que, em si, revela o caráter autoritário e excludente da doutrina liberal. O apoio ao fortalecimento do governo custaria, ao periódico em análise, a possibilidade de conquistar a hegemonia política e cultural no país como, também, a liberdade, quando o jornal foi ocupado pela polícia do Estado Novo
Resumo inglês:This article discusses how the discourse produced by the periodical O Estado de S. Paulo (OESP) between 1930 and 1937, more specifically in 1935, chosen for analysis, could influence public opinion, if not form it, through a journalistic practice fraught with ideological conceptions and gaming interests, this a time when communism was considered by many media, government and the elite that held power, a threat to Brazilian society. Supporting exceptional measures resulting from the Vargas government, justified by the fight against Bolshevik danger, the newspaper, which has always positioned himself as defender of democratic freedoms declared surrender, temporarily, his ideals to ensure social order. For the representatives of the newspaper, the maintenance of social peace was guided by the complete elimination of the enemies of private property, the Communists, and the ideological and political control of the working class, which reveals the authoritarian character of the liberal doctrine and exclusionary . Support to strengthening government cost them not only the possibility of achieving political and cultural hegemony in the country as also the freedom, when the paper was occupied by the New State Police