Geografia da resistência camponesa: o assentamento Paulo Vinhas frente à monocultura do eucalipto no município de Conceição da Barra (ES)

Esta pesquisa teve o objetivo de verificar o processo de resistência da Agricultura Camponesa do Assentamento Paulo Vinhas e suas interfaces com a organização social e espacial na ressignificação da territorialidade e da luta pela terra. Os sujeitos pesquisados são os camponeses assentados que resid...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Pereira, Edmauro Santana
Orientador/a: Simonetti, Mirian Claudia Lourenção [UNESP]
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Spanish Subjects:
Online Access:http://hdl.handle.net/11449/181767
Resumo Português:Esta pesquisa teve o objetivo de verificar o processo de resistência da Agricultura Camponesa do Assentamento Paulo Vinhas e suas interfaces com a organização social e espacial na ressignificação da territorialidade e da luta pela terra. Os sujeitos pesquisados são os camponeses assentados que residem ali desde a conquista da terra em 1996 e que vivenciam no cotidiano as contradições entre a agricultura campesina e a convivência com a monocultura do eucalipto no entorno do assentamento. Essas contradições, que se evidenciaram ao longo do processo de demarcação dos lotes, da seleção das famílias e do assentamento, referem-se à organização do espaço agrário e suas metamorfoses, em especial ao sistema de moradia nas agrovilas e o trabalho nos lotes demarcados. A pesquisa busca identificar, analisar e descrever o trabalho na agricultura camponesa realizada pelos assentados e, paralelamente, a predominância dos mesmos no trabalho assalariado em fazendas e empresas de celulose da região. Para a realização do trabalho nos apoiamos na pesquisa de campo com o objetivo de registrar a maior diversidade de aspectos da cultura camponesa, levando em conta, sobretudo, a história oral e cultural calcada em histórias de vida e depoimentos. A abordagem teórico-metodológica se deu a partir da utilização de conceitos e noções relativas à história da cultura e ao modo de vida camponês tais como: território, territorialidade, campesinato e agricultura camponesa. Nesta perspectiva, a pesquisa qualitativa dialoga com: a) a trajetória das famílias assentadas; b) os projetos para a permanência na terra, a produção, a educação; c) o processo/sentimento de pertença. O estudo preconiza, também, a relação entre capital agrário/agrícola (monocultura de eucalipto) e agricultura camponesa (representada pelo Assentamento). Entendemos que se trata de uma pesquisa dialético/pertinente uma vez que vêm contribuir com a “leitura geográfica dos movimentos camponeses” e leva em conta não só a viabilização do assentamento, mas também a sobrevivência da agricultura camponesa. Então podemos dizer que na cena do Assentamento Paulo Vinhas, o território não poderia ser nada mais que o produto dos sujeitos sociais, que criam/recriam modos de vida, cultura e pertencimento resultantes de um diálogo entre os sonhos, os projetos iniciais e a realidade vivenciada cotidianamente.
Resumo inglês:This research aims to verify the resistance process of the Peasant Agriculture of the Paulo Vinhas Settlement and its interfaces with the social and spatial organization in the re- signification of territoriality and the struggle for land. The subjects studied are settled peasants who have lived there since the conquest of the land in 1996 and who experience in daily life the contradictions between peasant agriculture and the coexistence with the eucalyptus monoculture surrounding the settlement. These contradictions, evidenced throughout the process of demarcation of the lots, of the selection of families and settlement, refer to the organization of the agrarian space and its metamorphoses, especially to the housing system in Agrovilas and work in the demarcated lots. The research seeks to identify, analyze and describe the work in peasant agriculture carried out by the settlers and, in parallel, the predominance of the same in salaried work in farms and pulp companies in the region. In order to carry out this work, we rely on field research to record the greatest diversity of aspects of peasant culture, taking into account, above all, oral and cultural history, based on life histories and testimonials. The theoretical-methodological approach was based on the use of concepts and notions related to the history of the culture and the way of life of peasants such as: territory, territoriality, peasantry and peasant agriculture. In this perspective, the qualitative research dialogues with: a) the trajectory of settled families; b) projects for permanence on land, production, education; c) the process/feeling of belonging. The study also recommends the relationship between agrarian / agricultural capital (represented by eucalyptus) and peasant agriculture (represented by the Settlement). We understand that this is a dialectic / pertinent research since they contribute to the "geographical reading of the peasant movements", and takes into account not only the viability of settlement, but also the survival of peasant agriculture. So we can say that in the scene of the Paulo Vinhas Settlement, territory could be nothing more than the product of social actors, who create / recreate ways of life, culture and belonging resulting from a dialogue between dreams, Initial projects and the daily reality.