Estudo comparativo de duas técnicas laboratoriais para a detecção do HLA-B27 em pacientes portadores de espondiloartrite axial

Introdução: A Espondiloartrite axial (EpA-ax) é uma doença inflamatória e crônica do grupo das Espondiloartrites (EpA). Ela acomete o sistema músculo esquelético ocasionando inflamação das articulações axiais (especialmente da sacroilíaca). Quando essas manifestações são evidenciadas por exames de i...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Angeli, Ricardo dos Santos
Orientador/a: Monticielo, Odirlei André
Format: Dissertação
Language:por
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://hdl.handle.net/10183/182072
Resumo Português:Introdução: A Espondiloartrite axial (EpA-ax) é uma doença inflamatória e crônica do grupo das Espondiloartrites (EpA). Ela acomete o sistema músculo esquelético ocasionando inflamação das articulações axiais (especialmente da sacroilíaca). Quando essas manifestações são evidenciadas por exames de imagem, temos a caracterização da Espondilite Anquilosante (EA). Do contrário, chamamos de EpA-axial não radiográfica (EpA-ax-nr). A Espondilite Anquilosante (EA) se caracteriza pelo envolvimento inflamatório de articulações do esqueleto axial e apendicular. Seu diagnóstico é baseado em achados clínicos e radiológicos, além da elevação de marcadores inflamatórios e presença do HLA-B27. Várias são as metodologias que se propõem a identificar o HLA-B27 e a Polymerase Chain Reaction (PCR) é tida como referência. Sua ampla utilização esbarra, no entanto, em questões que levam em conta o custo, oferta do exame e o tempo até a obtenção do resultado. Neste contexto, a Citometria de Fluxo (CF) surge como uma alternativa capaz de ajudar o médico na identificação deste marcador genético que pode ser importante para o diagnóstico e prognóstico dessa doença. Objetivo: Avaliar a correlação entre as técnicas laboratoriais mais utilizadas na prática clínica (CF e PCR), comparando sensibilidade e especificidade para detecção do HLA-B27 em pacientes com diagnóstico estabelecido de EpA-ax. Métodos: Estudo transversal, comparativo, com pacientes maiores de 18 anos de idade selecionados por conveniência, coletados ao longo de 2015, com diagnóstico estabelecido de EpA-ax, segundo os do grupo internacional ASAS (working group - Assessment of SpondyloArthritis Intenational Society). Para a análise estatística o coeficiente Kappa (P<0,005 foi adotado como parâmetro. Para a análise estatística o coeficiente Kappa (P<0,005 foi adotado como parâmetro. O teste Exato de Fisher foi utilizado para comparar as variáveis categóricas, o teste t de Student, para variáveis quantitativas com distribuição simétrica de amostras independentes. E as variáveis com distribuição assimétrica foram comparadas pelo teste de Mann-Whitney. Resultados: O coeficiente Kappa obtido para a determinação da concordância entre os testes foi de 0,454. Foram incluídos no estudo 62 pacientes, desses, sessenta preencheram os critérios para diagnóstico de EA e 2 para EpA-ax não radiográfica (EpA-ax-nr), 64,5% dos pacientes eram do sexo masculino, 88,7% se autodeclararam brancos, a idade média (± desvio padrão) foi de 54,5±12 anos e o tempo mediano (percentis 25 e 75) de diagnóstico de 14 (9 e 24) anos. Dentre as características clínicas apresentadas pela população estudada houve diferença estatisticamente significativa para a artrite periférica, sendo mais frequente no grupo HLA-B27 negativo que no grupo HLA-B27 positivo (P=0,032). Na análise de correlação, 90,3% apresentaram tipagem HLA-B27 positiva por CF e 79,0% pela técnica de PCR. Tendo o PCR como padrão ouro, a CF apresentou uma sensibilidade de 98,0%, especificidade de 38,5% e uma acurácia de 85,5%. Conclusão: Apesar da baixa especificidade apresentada pela CF, nosso estudo demonstrou que a CF tem alta sensibilidade e boa acurácia o que a torna uma boa alternativa para ser utilizada como um teste de triagem na busca da caracterização da doença. Apesar da moderada concordância com a técnica de referência, a CF poderia ajudar o médico a excluir resultados falsamente negativos, racionalizando assim a investigação laboratorial para o diagnóstico da EA.
Resumo inglês:Introduction: Axial spondyloarthritis (SpA-ax) is an inflammatory and chronic disease of the Spondyloarthritis (SpA) group. It affects the skeletal muscle system causing inflammation of the axial joints (especially of the sacroiliac). When these manifestations are evidenced by imaging tests, a characterization of Ankylosing Spondylitis (AS). Otherwise, we call the non-radiographic SpA-axial (SpA-ax-nr). AS marked by the inflammatory involvement of the axial and appendicular skeletal joints. The diagnosis is based on clinical and radiological findings, as well as the on the elevation of inflammatory markers and presence of HLA-B27. There are several methodologies to identify the HLA-B27 gene and a Polymerase Chain Reaction (PCR) is considered the reference method. However, its use on a large scale does not progress because it takes into account the cost, offer of the exam and the running time to obtain the result. In this context, Flow Cytometry (FC) emerges as an alternative method, helping with the physician in the determination of this genetic marker, important for the diagnosis and prognosis of disease. Objective: To evaluate the correlation between FC and PCR, comparing sensitivity and specificity for detection of HLA-B27 in patients with established diagnosis of SpA-ax. Methods: A cross sectional study including 62 patients recruited during 2015 month was conducted in Hospital de Clínicas de Porto Alegre, an university public hospital. The sample, recruited by convenience in the SpA clinic, was composed of patients ≥ 18 years old, fulfilling the Assessment of Spondyloarthritis (ASAS) criteria SpA-ax. All participants underwent HLA-B27 typing through FC and PCR. The kappa statistic was used to calculate the concordance between the FC and PCR. Taking PCR as the gold standard, sensitivity and specificity of FC to detect HLA-B27 were calculated. Results: The Kappa coefficient obtained to determine the agreement between the tests was 0.454. Sixty two patients were included in the study, sixty met the criteria for diagnosis of AS and two for SpA-ax-nr, 64.5% of the patients were male, 88.7% were self-declared mean age (± standard deviation) was 54.5 ± 12 years and median time (25th and 75th percentiles) for diagnosis was 14 (9 and 24) years. Among the clinical characteristics presented by the population studied, there was a statistically significant difference for peripheral arthritis, wich was more frequent in the HLA-B27 negative group than in the HLA-B27 positive group (P = 0.032). In the correlation analysis, 90.3% presented HLA-B27 positive typing by FC and 79.0% by PCR technique. When PCR was considered the gold standard, CF had a sensitivity of 98.0%, specificity of 38.5% and an accuracy of 85.5%. Conclusion: Despite the low specificity presented by FC, our study demonstrated that FC has high sensitivity and good accuracy, which makes it a good alternative to be used as a screening test in the search for the characterization of the disease. Despite the moderate agreement with the reference technique, FC could help the physician to exclude falsely negative results, thus rationalizing laboratory investigation for the diagnosis of AS.