Os instrumentos para a preservação do poder e do Estado em Maquiavel

No contexto de Maquiavel observamos a decadência da cristandade, da ascensão do capitalismo, do desenvolvimento dos estados nacionais, onde os soberanos locais são absorvidos pelo fortalecimento das monarquias e pela crescente centralização das instituições políticas. Maquiavel como pensador empíric...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Freitas, William de Jesus Costa
Orientador/a: Culleton, Alfredo Santiago
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Programa: Programa de Pós-Graduação em Filosofia
Department: Escola de Humanidades
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/3900
Resumo Português:No contexto de Maquiavel observamos a decadência da cristandade, da ascensão do capitalismo, do desenvolvimento dos estados nacionais, onde os soberanos locais são absorvidos pelo fortalecimento das monarquias e pela crescente centralização das instituições políticas. Maquiavel como pensador empírico, observa a consolidação do poder central na Inglaterra e França, sendo que o mesmo não ocorre na sua querida cidade, a Itália que se apresenta como sendo um conglomerado de pequenas cidadesestados rivais, disputadas pelo Papa, Alemanha, França e Espanha. Disputa que favorece os particularismos, mas se torna catastrófica para o destino da península. Percebe a existência de uma racionalidade instrumental no homem que o leva a buscar êxitos sem se importar com valores éticos. Fato este que o leva a pensar em uma natureza humana decaída pela maldade. De homens levianos, cobardes, ingratos, invejosos que é preciso estar sempre preparado para tudo, isto é, para o pior, da parte deles. Diante desta realidade o florentino vai se tornar o precursor de duas importantes ideias de teoria política, ligadas entre si, ambas expressas em suas obras. A primeira, de que só o poder controla o poder é a única arma que conta. A segunda ideia é que a discórdia interna é inerente aos governos livres. Neste sentido Maquiavel se torna revolucionário contra uma tradição que estigmatizava a discórdia como “tumulto”, primando pela harmonia e pela unidade. Preocupado com a situação da Itália Maquiavel sente a necessidade de uma mão firme capaz de confrontar a fortuna, considerada pelo florentino como contingência própria das ações humanas e não mais manifestações de Deus. Pensa também a necessidade de um estado com poder central e soberano que tem na figura do príncipe a constituição dos seus atos de governo como atos de soberania. Nos atos de governo do príncipe, há de fato mais que a manifestação de seu domínio da arte de governar; o príncipe está na origem do poder político e deve estabelecer que – no interior de seu principado, assim como nas relações que este mantem com as outras potencias – ele é sua origem única ou ao menos domina suas fontes. Dai, no exercício do poder deve fazer uso dos instrumentos necessários que possam mantê-lo com maior tempo possível no poder e que possa garantir a estabilidade do Estado. Considerando o exposto, a presente dissertação tem como proposito categorizar os instrumentos adequados para o êxito do governante. Antes porem fez-se necessário contextualizar o autor, pois foi em decorrência dos acontecimentos na sua terra natal que Maquiavel pensou a política moderna, o poder, a necessidade do estado, o bom governante e os instrumentos a serem utilizados. A abordagem metodológica partiu de uma revisão bibliográfica sobre o tema, utilizando-se de fontes primárias (as obras escritas por Maquiavel) e fontes secundárias (comentadores).
Resumo inglês:In the context of Machiavelli observed the decay of Christianity, capitalism’s rise, the development of national states, where local rulers are absorbed by the strengthening of the monarchies and the increasing centralization of political institutions. Machiavelli as empirical thinker, notes the consolidation of central power in England and France, and the same is not true in their beloved city, Italy which appears to be a conglomeration of small rival city-states, disputed by the Pope, Germany, France and Spain. Dispute favoring particularism, but becomes catastrophic for the fate of the peninsula. Realize the existence of an instrumental rationality in man which leads him to seek success without caring about ethical values. This fact leads him to think of a fallen human nature by evil. In vain men, cowardly, ungrateful, envious that we must always be prepared for anything, that is, for the worst of them. Given this reality the Florentine will become the precursor of two major political theory of ideas, linked together, both expressed in his works. The first, that only the power controls the power is the only weapon that counts. The second idea is that the internal discord is inherent in free governments. In this sense Machiavelli becomes revolutionary against a tradition that stigmatized discord as “turmoil”, striving for harmony and unity. Concerned about the situation in Italy Machiavelli feels the need for a firm hand able to confront the fortune, considered by Florentine as own contingency of human actions and not manifestations of God. Also think the need for a state with central and sovereign power you have in Prince include the establishment of their acts of government as sovereign acts. Acts of the prince government, there is indeed more than the manifestation of his mastery of the art of government; Prince is the source of political power and should provide that - within their first, and in relations that this keeps with the other powers - it is your only source or at least dominates their sources. Hence, the exercise of power should make use of the necessary tools that can keep it as long as possible in power and that can guarantee state stability. Considering the above, this thesis has as purpose categorize the appropriate tools for the success of the ruler. Before however it was necessary to contextualize the author because it was a result of the events in his homeland that Machiavelli modern political thought, the power, the need of the state, the good ruler and the instruments to be used. The methodological approach started from a literature review on the topic, using primary sources (the works written by Machiavelli) and secondary sources (commentators).