Estudo do efeito in vitro de extratos do rizoma de Dorstenia asaroides Hook. sobre fatores cariogênicos de Streptococcus mutans

Dorstenia asaroides Hook. é um erva perene, conhecida como carapiá, utilizada na medicina popular contra uma variedade de enfermidades. Este estudo teve como objetivo obter e caracterizar o perfil fitoquímico de frações orgânicas (hexânica, acetato e clorofórmica) do extrato de rizomas de D. asaroid...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2011
Main Author: Carlos Eduardo Mendes D\'Angelis
Orientador/a: Augusto Cesar Cropanese Spadaro
Banca: Sandra Yasuyo Fukada Alves, Jairo Kenupp Bastos
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Programa: Ciências Farmacêuticas
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60137/tde-20092011-142907/
Resumo Português:Dorstenia asaroides Hook. é um erva perene, conhecida como carapiá, utilizada na medicina popular contra uma variedade de enfermidades. Este estudo teve como objetivo obter e caracterizar o perfil fitoquímico de frações orgânicas (hexânica, acetato e clorofórmica) do extrato de rizomas de D. asaroides, bem como avaliar o efeito in vitro sobre Streptococcus mutans ATCC 25175 (multiplicação, potencial acidogênico e biofilme) e analisar a citotoxicidade destas frações. Os extratos estudados foram obtidos a partir do extrato bruto (rizomas tratados com etanol). A fração hexânica (FrH) revelou a presença de ácidos graxos e/ou seus ésteres metílicos ou etílicos, além de um esteróide, campesterol e triterpenos. A fração acetato (FrA) é composta principalmente de furanocumarina e um triterpeno, já a fração clorofórmica (FrC) é composta pelas furanocumarinas: isopsoraleno e/ou psoraleno e bergapteno. As frações que apresentaram maior valor de inibição do potencial acidogênico foram FrH e FrA, ambas com 100% de inibição na concentração de 12,5mg/mL. A concentração inibitório mínima (CIM) para FrH e FrC foi igual a 80µg/mL, e 50µg/mL para FrA. Nos estudos de biofilme, verificou-se que a partir de 3h de incubação S. mutans foi capaz de aderir a superfícies de vidro e aço inoxidável, formando biofilme em 9h de incubação com populações médias de 3,41 Log de UFC/cm2 nas lâminas de vidro e de 4,84 Log de UFC/cm2 nas lâminas de aço inoxidável. Os melhores resultados de controle de biofilme foram obtidos com a fração FrA, a qual apresentou diferenças significativas em relação ao controle. As frações hexânica e acetato não se mostraram citotóxicas em concentrações inferiores a 6,25µg/mL. Já para a fração clorofórmica, não houve citotoxicidade em concentrações menores que 25µg/mL. Os resultados obtidos com as frações FrH, FrA e FrC do extrato de rizomas de D. asaroides mostram-se promissores, uma vez que apresentaram potencial anticariogênico sobre S. mutans.
Resumo inglês:Dorstenia asaroides Hook. (Moraceae), a plant occurring endemically in Africa and Central and South America, is used in medicinal plant therapy. In this study, we analyzed the chemical compounds from the hexane fraction (HFr), chloroform fraction (CFr) and ethyl acetate fraction (EFr). These fractions were obtained from crude extracts of the rhizomes of D. asaroides. The antimicrobial activity against S. mutans, the acid inhibition properties, the effect on S. mutans biofilm formed on a glass surface and cytotoxicity were also evaluated. Phytochemical analysis of these organic fractions from the extract of D. asaroides rhizomes revealed the presence of substances with known antimicrobial activity, such as campesterol, triterpenes and coumarins. Both the MIC and MBC values for the HFr and CFr are 80µg/mL, and for the EFr 50µg/mL. Among the fractions tested, the fractions with the highest value of inhibition of the acidogenic potential were HFr and EFr, with 100.3% and 105.3% inhibition, respectively, at a concentration of 12.5mg/mL. The treatment of biofilms was statistically significant for all three fractions at the highest concentrations tested compared with the control (biofilm at 12 hours). The results for EFr were particularly pronounced, showing significant differences at all concentrations. The HFr and EFr were not cytotoxic at concentrations below 6.25g/mL. CFr was not cytotoxic at concentrations less than 25g/mL. Thus, the fractions have shown a substantial anticariogenic activity against S. mutans and further studies are needed to fully elucidate properties of these fractions.