A apropriação da agrofloresta na afirmação da reforma agrária: um estudo sobre o processo de recampesinização no assentamento Mário Lago em Ribeirão Preto - SP

Atualmente, o agronegócio predomina como modelo de desenvolvimento agrário e agrícola no campo brasileiro. Este modelo, caracterizado pela expansão territorial de grandes monoculturas dependentes de insumos industrializados, afirma o processo de desenvolvimento desigual no Brasil. Diante da magnitud...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Mônica Hashimoto Iha
Orientador/a: Larissa Mies Bombardi
Banca: Carlos Alberto Feliciano, Valeria de Marcos, Clovis José Fernandes de Oliveira Junior, Ariovaldo Umbelino de Oliveira
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Programa: Geografia (Geografia Humana)
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-13042017-101047/
Resumo Português:Atualmente, o agronegócio predomina como modelo de desenvolvimento agrário e agrícola no campo brasileiro. Este modelo, caracterizado pela expansão territorial de grandes monoculturas dependentes de insumos industrializados, afirma o processo de desenvolvimento desigual no Brasil. Diante da magnitude dos impactos sociais e ambientais negativos, movimentos sociais de luta pela terra irão propor novos caminhos como alternativa ao modelo da Revolução Verde. Nesse contexto, surge na cidade de Ribeirão Preto SP a reivindicação por uma reforma agrária sustentável. Uma proposta de uso camponês do território em resposta ao avanço das atividades agrícolas monocultoras em grande escala, as quais têm exposto, ao risco de degradação, as áreas de recarga do Aquífero Guarani sobre a qual o município o está situado. No ano de 2007, 264 famílias constituíram o Assentamento Mário Lago a partir de um compromisso em conciliar a vida no campo à recuperação e conservação ambiental. Neste contexto surge a motivação para produzir a partir de uma agricultura com base na agroecologia. Este trabalho analisa o processo de consolidação desta proposta no assentamento Mário Lago, iniciado em 2011 através de uma parceria firmada entre MST e a Associação de Produtores Agroflorestais da Barra do Turvo e Adrianópolis, conhecida como COOPERAFLORESTA. Em uma abordagem da geografia das lutas sociais no campo, esta tese apresenta o processo de apropriação da agrofloresta como sistema agrícola capaz de favorecer a autonomia, o protagonismo dos camponeses fortalecendo processos de recampesinização. O reconhecimento dessas ações está presente na política, na sociedade e especificamente nas novas relações estabelecidas entre seres humanos e natureza, que será compreendida como a relação dos camponeses com a terra. A pesquisa busca compreender o ponto de vista desse grupo, desde aspectos simbólicos que permeiam a prática do cultivo de florestas, aos resultados econômicos, benefícios sociais alcançados, assim como a convergência, dilemas e conflitos, presentes na afirmação de uma reforma agrária agroflorestal.
Resumo inglês:The agribusiness is the main agricultural and agrarian development model present in Brazilian rural area. This model, which is characterized by the dominance of large monoculture reliant in industrialized inputs, ratifies the unequal development process occurred in Brazil. In addition, the intensive use of chemical fertilizers and pesticides places the environment at risk. Due the magnitude of the negative social and environmental impacts, the maintenance of this model began to be inquired by land rights movements. In this context has emerged in the city of Ribeirão Preto SP a demand for a sustainable land reform as a new form of land use. It is a reaction to the advancement of large scale monoculture agriculture, which have exposed the refilling areas of the Guarani Aquifer (on which is situated the municipality) to the risk of degradation. In 2007, 264 families established the Mario Lago settlement with the commitment of reconciling the rural living with the recovery and conservation of the environment through an agroecology-based agriculture. In this way, this paper investigates, as a case study, the consolidation of the agroforestry proposal in Mario Lago settlement, which has started in 2011 with the partnership between MST and Agroforestry Producers Association of Barra do Turvo and Adrianópolis municipalities, known as COOPERAFLORESTA. Within the approach of the geography of rural social struggles, this thesis shows the appropriation of the agroecology as a new agricultural model starred by the peasants. The recognition of these actions is present in politics, in society and especially in the new relations between human beings and nature, which will be understood as the relationship of the peasants to the land. The agroforest associated with changes in social relations has provided strengthening to the repeasantization process. This research aims at understanding the point of view of this group, the symbolic aspects that permeate the forest cultivation practice, the economic results and social benefits, as well as the convergence, dilemmas and conflicts present in the affirmation of an agroforestry land reform.