Avaliação da resposta inflamatória e da resposta imune inata na célula apresentadora de antígeno em recém-nascidos de termo sepse tardia

INTRODUÇÃO: Apesar do contínuo progresso no tratamento e suporte clínico a sepse continua sendo uma das principais causas de morbidade e mortalidade nas unidades de terapia intensiva, com desfechos semelhantes ao longo dos últimos 50 anos. A suscetibilidade à infecção grave no recém-nascido é parcia...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2013
Main Author: Ana Carolina Costa Redondo
Orientador/a: Maria Esther Jurfest Rivero Ceccon
Banca: Artur Figueiredo Delgado
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Programa: Medicina (Pediatria)
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5141/tde-04022014-154223/
Resumo Português:INTRODUÇÃO: Apesar do contínuo progresso no tratamento e suporte clínico a sepse continua sendo uma das principais causas de morbidade e mortalidade nas unidades de terapia intensiva, com desfechos semelhantes ao longo dos últimos 50 anos. A suscetibilidade à infecção grave no recém-nascido é parcialmente devida à imaturidade do sistema imune inato associado à mínima em exposição antigênica in utero e à ação ineficaz das células T efetoras e das célula B. Embora a ativação do sistema imune inato por padrões de reconhecimento (PRR) como os dos receptores Toll-like (TLR) tenham sua importância amplamente reconhecida nos últimos anos, seu comportamento frente a uma infecção in vivo ainda não foi completamente compreendido. Neste trabalho nós analisamos a expressão dos TLR-2 e TLR-4 em células apresentadoras de antígeno em recém-nascidos com e sem sepse. CAUSUÍSTICA E MÉTODO: Trata-se de um estudo prospectivo realizado no período entre fevereiro de 2011 e janeiro de 2013 onde foram incluídos quarenta e cinco recém-nascidos a termo, sem malformação congênita, admitidos na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatal do Instituto da Criança-HCFMUSP e divididos em grupos 1 e 2. O grupo 1 consistiu em 27 recém-nascidos com diagnóstico clínico e laboratorial de sepse tardia enquanto que o grupo 2 foi composto por 18 recém-nascidos sem quadro séptico vigente. As citocinas foram determinadas por teste de CBA em sangue periférico. A expressão e MFI dos TLR-2 e TLR-4 foi determinado por imunofenotipagem em APCs e linfócitos no sangue periférico total através de análise pelo citômetro de fluxo BD FACSDiva. RESULTADOS: Os dados clínicos foram semelhantes entre os grupos 1 e 2, exceto para o estado infeccioso. Microrganismos foram identificados em 37 % no grupo 1 e estes tiveram níveis mais elevados de citocinas pró-inflamatórias (IL-8, IL-6, IL-1beta) e de citocina anti-inflamatória (IL-10). Nas células dendríticas, a expressão de TLR-2 e 4 foi semelhante entre os grupos enquanto que houve menor expressão nos pacientes infectados da molécula co-estimuladora CD86 (p < 0,05) e expressão semelhante de CD1a e CD80 em relação aos RN não infectados. No monócito, o MFI para TLR-2 e a freqüência de expressão do TLR-4 foi maior no grupo 1 (p = 0,01). Apesar da frequência de linfócitos totais ter sido mais baixa no grupo 1 (p = 0,002), não foi observada diferença quanto as suas subpopulações exceto em relação a maior frequência de LT efetor no grupo infectado com menor expressão da molécula CD28. Houve maior frequência de LB ativados no grupo 1 enquanto que a população total e as demais subpopulações foram semelhantes em número, moléculas de ativação e na expressão dos TLR-2 e 4 em ambos os grupos. CONCLUSÃO: Este estudo analisou a resposta imune inata no recém-nascido com e sem sepse. As IL-6, IL-8 e IL-10 foram bons indicadores desta doença. Recém-nascidos sépticos, que dependem quase exclusivamente do sistema imune inato, apresentaram pouca resposta in vivo na ativação de células dendríticas e monócitos propiciando uma resposta imune deficiente e maior susceptibilidade à infecção
Resumo inglês:INTRODUCTION: Despite continuous progress in the clinical treatment and other supportive care therapies, sepsis remains a leading cause of morbidity and mortality in the intensive care unit with similar outcome throughout the past 50 years. The susceptibility to severe infection is partially due to newborn immature innate immune system associated to minimal in utero antigen exposure and effector T and B cell impaired function. Although the importance of pattern recognition domains such as Toll-like receptors (TLR) in the innate immune system activation has been fully acknowledged within the last few years its behavior in front of an in vivo infection scenario is still not completely understood. Here we analyzed the TLR-2 and TLR-4 expression in antigen-presenting cell in healthy and septic newborns. PATIENTS AND METHODS: This prospective study was conducted during the period from February 2011 until January 2013 at Sao Paulo University, Sao Paulo, Brazil. Forty-five term newborns without congenital malformation were included from the Newborn Intensive Care Unit at Children\'s Hospital. As group 1, 27 newborns who had clinical and laboratory diagnostic of late onset sepsis were included while 18 newborns were evaluated in a non-septic status and were included at group 2. Cytokines were measured by cytometric bead array in peripheral blood. TLR-2 and TLR-4 expression and MFI were determined by immunophenotyping at peripheral whole blood in APC cells and lymphocytes and analyzed on a BD FACSDiva flow cytometer. RESULTS: Clinical data was similar between septic and non-septic groups except for the infectious status. Group 1 had microorganisms identified in 37 % septic newborns associated with higher levels of pro-inflammatory (IL-8, IL-6, IL-1beta) and anti-inflammatory interleukins (IL-10). When it comes to dendritic cells, the expression of TLR-2 and 4 was similar between groups whereas there was lower expression of co-molecule CD86 (p < 0,05) and similar expression of CD1a and CD80 between infected and non-infected patients. At monocytes, the MFI for TLR-2 and the frequency of TLR-4 expression was higher in infected newborn (p=0,01). There were lower levels of total lymphocytes in infected patients (p=0,002) but no difference was observed in T cells subtypes frequency except for higher levels of effector T cell in infected group with lower expression of CD28 molecule. Group 1 had higher levels of activated B cell whereas total population and the other subsets were similar in number, activation molecules and TLR-2 and 4 expressions in both groups. CONCLUSION: This study investigated the innate immune response in septic and non-septic newborn. Interleukin levels 6, 8 and 10 were good indicators of sepsis. Septic newborns, which count most exclusively with innate immune system, had little in vivo response at dendritic cell and monocyte activation leading to an impaired immune response and increased susceptibility to infection