Estratégias de utilização de recursos em vespas parasitas do mutualismo figueiras - vespas de figo

Interações ecológicas interespecíficas que resultam em benefício para todos os organismos participantes são conhecidas como mutualismo. No entanto, a troca de benefícios apresenta custos para as espécies participantes. Este fato abre espaço para o surgimento de espécies que adotam estratégias oportu...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2008
Main Author: Larissa Galante Elias
Orientador/a: Rodrigo Augusto Santinelo Pereira
Banca: Finn Pierre Kjellberg, Paulo Inácio de Knegt López de Prado
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Programa: Entomologia
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-07042008-144605/
Resumo Português:Interações ecológicas interespecíficas que resultam em benefício para todos os organismos participantes são conhecidas como mutualismo. No entanto, a troca de benefícios apresenta custos para as espécies participantes. Este fato abre espaço para o surgimento de espécies que adotam estratégias oportunistas, denominadas parasitas de mutualismos. As plantas do gênero Ficus são adequadas para estudos dessas interações, pois apresentam relação mutualística com vespas polinizadoras da família Agaonidae e são exploradas por vespas não-polinizadoras (parasitas do mutualismo). O objetivo desse estudo foi elucidar a biologia larval de vespas não-polinizadoras do gênero Idarnes pertencentes aos grupos carme e flavicollis associadas a Ficus citrifolia no campus da USP em Ribeirão Preto. Foi possível elucidar que a espécie de Idarnes do grupo flavicollis é galhadora, ao passo que a espécie do grupo carme é incapaz de induzir galhas, sendo provavelmente inquilinas específicas da espécie polinizadora. Vespas flavicollis ovipositam nos sicônios antes da polinização e evitam a retaliação pela planta, adotando mecanismo de oviposição semelhante ao das vespas polinizadoras. Vespas carme, por sua vez, depositam seus ovos diretamente dentro do saco embrionário de flores já galhadas, onde se localiza a larva da polinizadora. Contrariando especulações prévias, os resultados mostram que mesmo em espécies próximas filogeneticamente, e.g. grupos flavicollis e carme do gênero Idarnes, podem ocorrer variações acentuadas na biologia e na estratégia de exploração de recursos.
Resumo inglês:Interspecific ecological interactions which benefit all participants are known as mutualisms. However, the benefit exchange implies in costs for the involved species. This fact enables the appearance of species adopting opportunist strategies, known as parasites of mutualism. Plants belonging to the genus Ficus are suitable for studying these ecological interactions since they show a mutualistic interaction with pollinating wasps belonging to Agaonidae family and are exploited by non-pollinating wasps (parasites of the mutualism). The aim of this study was to elucidate the larval biology of non-pollinating fig wasps, genus Idarnes, belonging to flavicollis and carme species groups, associated with Ficus citrifolia at USP campus in Ribeirão Preto. We showed that species of flavicollis group are gallers, while species of carme group were not able to induce galls, probably being specific inquilines of the pollinating species. flavicollis wasps oviposit in syconia before receptivity and avoid retaliation by the plant, adopting a similar mechanism of oviposition to the one of the pollinators. carme wasps, on the other hand, deposit their eggs directly inside the embrionary sac of already galled flowers, where the pollinator larva is located. In disagreement with previous speculations, the results show that even in phylogenetically close species, such as flavicollis and carme species groups, there may be considerable variation in biology and resource exploitation strategies.