Morcego hematófago comum Desmodus rotundus no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo: abrigos diurnos, agrupamentos, lesões corporais e sorologia antirrábica

Apesar dos morcegos hematófagos serem muito estudados, diversos aspectos de sua biologia e de seu papel na transmissão da raiva ainda não são conhecidos. O objetivo da presente tese foi estudar os abrigos diurnos, os agrupamentos e o comportamento agonístico do morcego hematófago comum, Desmodus rot...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: João José de Freitas Ferrari
Orientador/a: Mauro Toledo Marrelli
Banca: Marilene Fernandes de Almeida, Paulo Eduardo Brandão, Murilo Novaes Gomes, Wilson Uieda
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Programa: Saúde Pública
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6132/tde-03082015-113130/
Resumo Português:Apesar dos morcegos hematófagos serem muito estudados, diversos aspectos de sua biologia e de seu papel na transmissão da raiva ainda não são conhecidos. O objetivo da presente tese foi estudar os abrigos diurnos, os agrupamentos e o comportamento agonístico do morcego hematófago comum, Desmodus rotundus, e sua relação com a raiva dos herbívoros no Vale do Paraíba. Foi possível também obter informações sobre as duas outras espécies de morcegos hematófagos, especialmente de Diphylla ecaudata. Entre 2011 e 2014, dados sobre abrigos diurnos, composição dos agrupamentos, lesões corporais, diagnóstico de raiva e sorologia antirrábica de D. rotundus foram obtidos nos municípios de Jacareí, Paraibuna, Pindamonhangaba, Salesópolis, Santa Branca e São Luiz do Paraitinga no Vale do Paraíba, Sudeste do estado de São Paulo, Sudeste do Brasil. Foram estudados 14 abrigos diurnos de D. rotundus, dos quais 12 eram construções abandonadas na área rural. Desmodus rotundus partilhou abrigos diurnos com apenas cinco espécies de filostomídeos: Diphylla ecaudata, Chrotopterus auritus, Carollia perspicillata, Glossophaga soricina e Anoura caudifer. O tempo de recolonização desses abrigos diurnos por D. rotundus foi em média 12,5 meses, com uma variação entre três e 25 meses. O tamanho dos agrupamentos variou de dois a 79 indivíduos, com uma média de 15,6 morcegos/grupo. Fêmeas foram encontradas em 15 agrupamentos, com uma média de 13 fêmeas e uma variação entre uma e 55 fêmeas/grupo. Por outro lado, machos estiveram mais presentes nos agrupamentos, ocorrendo em quase todos (N=21), com uma média de 7,1 machos/grupo e uma variação de um a 24 machos. Sete agrupamentos foram considerados de machos solteiros. Onze dos 22 agrupamentos eram constituídos de colônia e grupo de machos solteiros. O dimorfismo sexual no comprimento do antebraço de D. rotundus do Vale do Paraíba foi estatisticamente significativo e sugere que as fêmeas são maiores 13 do que os machos. Lesões corporais, atribuídas às mordeduras provocadas por outros morcegos, foram encontradas em 76,7 por cento dos indivíduos de D. rotundus, tanto em machos como em fêmeas. A região mais atingida foram as membranas alares, com 68 por cento , porém lesões nas orelhas, face e membros foram menos frequentes (23,1 por cento nas fêmeas e 26,9 por cento nos machos). Acredita-se que as lesões nessas regiões sejam mais importantes nos mecanismos de transmissão de raiva. Apesar de ter analisado 310 amostras de encéfalos de D. rotundus do Vale do Paraíba, o resultado foi negativo em todas as amostras. A sorologia mostrou que todos os morcegos apresentaram positividade em diferentes graus. Contudo, se considerarmos o ponto de corte 0,5 UI/ml, o número de indivíduos positivos caiu para 30,1 por cento (N=90), sendo 30,9 por cento nas fêmeas e 28,8 por cento em machos. Apesar de nenhum indivíduo de D. rotundus positivo para a raiva ter sido encontrado no Vale do Paraíba durante a presente tese, a sorologia positiva de, pelo menos, 30 por cento mostra que há vírus da raiva circulando em sua população. Essa alta circulação viral pode ter sido favorecida pelas interações agonísticas, que causam lesões em mais de 75 por cento dos morcegos, a formação compacta (em penca) dos agrupamentos, o grooming social, a reciprocidade e partilha alimentar
Resumo inglês:Despite the hematophagous bats are very studied, many aspects of their biology and their role in the transmission of rabies are not yet known. The aim of this thesis was to study the diurnal shelters, groups and the agonistic behavior of the common hematophagous, Desmodus rotundus, and its relation to the cattle rabies in the Paraíba Valley. It was also possible to obtain information about the two other species of vampire bats, especially Diphylla ecaudata. Between 2011 and 2014, data on diurnal shelters, composition of groups, body injuries, diagnosis of rabies and rabies serology D. rotundus were gathered from the cities of Jacarei, Paraibuna, Pindamonhangaba, Salesópolis, Santa Branca and São Luiz do Paraitinga in the Valley Paraíba, Southeastern of São Paulo State, Southeastern Brazil. Fourteen diurnal shelters of D. rotundus were studied here and 12 were abandoned buildings in rural areas. Desmodus rotundus shared daytime shelters with only five species of phyllostomid bats: Diphylla ecaudata, Chrotopterus auritus, Carollia perspicillata, Glossophaga soricina and Anoura caudifer. The time of recolonization of these roosts by D. rotundus was on average 12.5 months, ranging from three to 25 months. The size of the groups ranged from two to 79 individuals, with a mean of 15.6 bats/group. Females were found in 15 groups with an average of 13 females/group and ranging between one and 55 females. Moreover, males were present in most groups from Paraíba Valley, occurring in almost all (N = 21), with an average of 7.1 males/group, and a variation of 24 males. Seven groups were considered to be single males groups. Eleven of the 22 groups were made up of colony and single male groups. Sexual dimorphism in the forearm length of D. rotundus from the Paraíba Valley was statistically significant and suggests that females are larger than males. Body Injuries, attributed to bites caused by other bats were found in 76.7 per cent of individuals of D. rotundus, in both males and females. The most affected region was the wing membranes, with 68 per cent , but lesions on the ears, face and limbs were less frequent (23.1 per cent in females and 26.9 per cent in males). It is believed that injuries in these regions are more important in the rabies transmission mechanism. Despite having analyzed 310 samples of brains of D. rotundus from the Paraíba Valley, the result was negative in all samples. Serology showed that all bats were positive in varying degrees. However, if we consider the cut off 0.5 IU/ml, the number of positive samples dropped to 30.1 per cent (N = 90) and 30.9 per cent in females and 28.8 per cent males. Although no individual of D. rotundus positive for rabies was found in the Paraíba Valley during this thesis, the positive serology at least 30 per cent shows that there is rabies virus circulating in this bat population. This high viral circulation may have been favored by agonistic interactions, that cause lesions in more than 75 per cent of the bats, the compact formation (in clusters) of groups, social grooming, reciprocity and food sharing.