Socialização, violencia e prostituição

Orientador: Aurea Maria Guimarães

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2006
Main Author: Pinheiro, Veralucia
Orientador/a: Guimarães, Áurea M. (Aurea Maria), 1950-, Guimarães, Aurea Maria, 1950-
Banca: Rosa, Ines Petrucci, Galzerani, Maria Carolina Bolverio, Viana, Nildo Silva, Sampaio, Simone Sobral
Format: Tese
Language:por
Published: [s.n.]
Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252331
Citação:PINHEIRO, Veralucia. Socialização, violencia e prostituição. 2006. 143 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/252331>. Acesso em: 6 ago. 2018.
Resumo Português:Resumo: Nossa pesquisa está vinculada ao Grupo de Pesquisa Violência, Imaginário e Educação (Violar), da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas ¿ SP (UNICAMP), e tem como objeto de estudo a relação entre a memória da violência no processo de socialização de crianças e adolescentes e o exercício da prostituição como modo de vida. O ponto de partida de nossas reflexões foram as narrativas de três mulheres, cujas condições de ingresso precoce na prostituição (antes dos 18 anos) e cuja trajetória infanto-juvenil, marcada por várias modalidades de violência (física, simbólica, sexual etc.), correspondem às características que definimos para constituir nosso universo investigativo. Nosso intuito foi apresentar de forma textual a experiência vivida e os argumentos orais dos próprios sujeitos. Para isso, ancoramo-nos em autores como Walter Benjamin, Ecléa Bosi, José Carlos Sebe Bom Meihy e Maurice Halbwachs, buscando compreender os significados da violência nas memórias das jovens. Apresentamos, por isso diferentes situações de miséria material e moral, as quais retratam inúmeras transgressões que contradizem nossa noção de civilização. Não obstante acreditamos que o desvelamento desta ¿condição humana¿ pode contribuir com a produção do conhecimento tanto quanto a investigação de outros universos do mundo social
Resumo inglês:Abstract: Our research is linking with research¿s group violence, imaginary and education (Violar), from Education Faculty from University of Campinas-SP (UNICAMP) and its object of study is the relationship between violency¿s memory in the children and teenager¿s process of socialization of the children and adolescents and the exercice of prostitution as way of life. The starting point of our reflections had been the narratives of three women, whose conditions of precocious ingression in the prostitution (before the 18 years) and whose trajectory of childhood and youthful were marked by several kind of violence (physical, symbolic, sexual etc) correspond to features which we define to constitute our investigative universe. Our intention was of word-perfect form the lived experience the proper subjects the orals arguments. Thus, we support in authors like Walter Benjamin, Ecléa Bosi, José Carlos Sebe Bom Meihy and Maurice Halbwachs, searching for understanding the meanings of violence in the memories of the young. We present, therefore differents situations of material and moral misery, that depict several infringements whereby contradict our notion of civilization. ¿human condition¿ may contribute with the production of knoweledg alike the investigation of others universes from social world