O 'espelho mágico ' do cinema iraniano : uma análise das performances dos "não" atores nos filmes de arte

Orientador: Francirosy Campos Barbosa Ferreira

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2011
Main Author: Pessuto, Kelen
Orientador/a: Ferreira, Francirosy Campos Barbosa
Banca: Muller, Regina Aparecida Polo, Novaes, Sylvia Caiuby
Format: Dissertação
Language:por
Published: [s.n.]
Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Artes
Programa: Programa de Pós-Graduação em Artes
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/284435
Citação:PESSUTO, Kelen. O 'espelho mágico ' do cinema iraniano: uma análise das performances dos "não" atores nos filmes de arte. 2011. 266 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/284435>. Acesso em: 10 abr. 2019.
Resumo Português:Resumo: Esta dissertação analisa as performances dos "não" atores no cinema de arte iraniano, a partir das obras Close-up (Nema-ye Nazdik, 1990, Abbas Kiarostami), Salve o cinema (Salam cinema, 1995, Mohsen Makhmalbaf), Tartarugas podem voar (Lakposhtha parvaz mikonand, 2004, Bahman Ghobadi) e O espelho (Ayneh, 1997, Jafar Panahi). Com base na antropologia da performance, busca-se responder às seguintes perguntas: Quem são os "não" atores? Por que são usados esse tipo de ator em vez de atores profissionais? Quais os métodos empregados em sua direção? Qual a relação que se estabelece entre o ator e o personagem? Para tanto, utiliza-se além da bibliografia pertinente a essa disciplina, ao teatro e ao cinema, o método comparativo, com filmes do mesmo diretor, assim como de outras cinematografias. Conclui-se que não há necessidade do ator ter uma técnica préestabelecida, sendo que a direção proposta por esses cineastas requer o mínimo de atuação. O ator-performer vivencia as situações que lhes são impostas e, a partir disso, cria personagens, algumas vezes baseados em sua própria experiência de vida, como em uma grande brincadeira de faz de conta
Resumo inglês:Abstract: This thesis analyzes the performance of the "non" actors in the Iranian art cinema, in movies Close-up (Nema-ye Nazdik, 1990, Abbas Kiarostami), Salam cinema (1995, Mohsen Makhmalbaf), Turtles can fly (Lakposhtha parvaz mikonand, 2004, Bahman Ghobadi) and The Mirror (Ayneh, 1997, Jafar Panahi). Based on the anthropology of performance, we seek to answer the following questions: Who are these "non" actors? Why they used that kind of actor instead of professional actors? What are the methods employed in its direction? and What is the relationship established between the actor and character? For this, we use the comparative method, with films from these directors, as well movies by other cinematographies. The conclusion reached is that there is no need for the actor to have a pre-established technique, because the direction proposed by these filmmakers requires minimal action. The actor-performer experience situations that are imposed for them and they create characters, sometimes based on their own experience of life, as in a grand game of make-believe