Invenções Henry Miller: micropolíticas de uma literatura sem rosto

The following thesis aims to problematize the aesthetic of existence elaborated by the writer Henry Miller, through his writing the author creates lines of fight in order to produce a faceless literature. Micropolitics inventions capable of taking the writer to the singularization of oneself through...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2019
Main Author: Peccioli, Marcelo Romani lattes
Orientador/a: Tótora, Silvana Maria Corrêa
Format: Tese
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Faculdade de Ciências Sociais
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22277
Citação:Peccioli, Marcelo Romani. Invenções Henry Miller: micropolíticas de uma literatura sem rosto. 2019. 229 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.
Resumo Português:A presente tese pretende problematizar a estética de existência produzida pelo escritor Henry Miller. Por meio de sua escrita, o autor cria linhas de fuga para a produção de uma literatura sem rosto. Essa micropolítica é capaz de levar o escritor a singularizar-se por meio de práticas de liberdade que ressoam em políticas de resistência. Por meio dos conceitos desenvolvidos pelos filósofos Friedrich Nietzsche, Michel Foucault, Gilles Deleuze, Félix Guattari e Giorgio Agamben, pretende-se atravessar a obra do escritor estadunidense de forma rizomática, não linear, criando conexões com estes pensadores, tanto para cartografar o devir-artista trágico que arrasta Miller, libertando o escritor para a produção artística de si, como também para descrever os dispositivos de poder, as moralidades e a cultura do american way of life, que tanto subjugavam o seu corpo como constituíam alvo de sua luta, criação de resistências por meio de sua escrita para expansão de sua própria potência.. Por fim, a tese pretende relacionar as práticas de liberdade experimentadas por Henry Miller aos enfrentamentos de nossa atualidade concernentes à questão da corporalidade; entre exercer a posse e o cultivo sobre si como práticas de liberdade, micropolítica de resistência aos diversos dispositivos contemporâneos de poder que se voltam sobre o corpo para fins de controle e dominação
Resumo inglês:The following thesis aims to problematize the aesthetic of existence elaborated by the writer Henry Miller, through his writing the author creates lines of fight in order to produce a faceless literature. Micropolitics inventions capable of taking the writer to the singularization of oneself through freedom practices resonating in politics of resistance. Hereby, the study uses the concepts developed by the philosophers Friedrich Nietzsche, Michel Foucault, Gilles Deleuze, Félix Guattari and Giorgio Agamben seeking to cross over the American writer’s work in a ryzomathic and non linear way, creating connections with such thinkers, cartographying the tragic become writer drawn in Miller which settled him free towards both an artistic production of oneself as well as the description of the American way of life’s power devices, morality and culture, which overpowered his body as reaffirming his own targets, creating resistance through his writing to the expansion of his own power. Lastly, the thesis intends to relate the practices of freedom experienced by Henry Miller to the current confrontations concerning the issue of corporeality; in between the exercise of ownership and cultivating upon oneself as practices of freedom, micropolitics of resistance, against the various contemporary power devices that turned to the body with the purposes of control and domination