O pagador de promessas no contexto do drama/teatro brasileiro moderno: discussão sobre a tragédia nacional-popular

This study intends to analyze the critical reception to O pagador de promessas who takes this text by the aristotelian paradigm of tragedy. Through a historical-critical review about Brazilian modern theater and drama, this play is located next to national-popular trend, appointed as counter-hegemon...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2012
Main Author: Santos, Josué Pereira dos lattes
Orientador/a: Maciel, Diógenes André Vieira lattes
Banca: Justino, Luciano Barbosa lattes, Silva, Márcia Tavares lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Estadual da Paraíba
Programa: Mestrado em Literatura e Interculturalidade - MLI
Department: Literatura e Estudos Interculturais
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://tede.bc.uepb.edu.br/tede/jspui/handle/tede/1840
Citação:SANTOS, Josué Pereira dos. O pagador de promessas no contexto do drama/teatro brasileiro moderno: discussão sobre a tragédia nacional-popular. 2012. 87 f. Dissertação (Mestrado em Literatura e Estudos Interculturais) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2012.
Resumo Português:Trata-se de um estudo da recepção crítica, além de um esboço de análise-interpretação, de O pagador de promessas que pretende discutir as interpretações que situam este texto no paradigma aristotélico da tragédia. Mediante uma revisão histórico-crítica em torno do teatro/drama brasileiro moderno, situando-se esta peça junto à tendência nacional-popular, tornada contra-hegemônica na busca e consolidação de um teatro nacional, entre fins da década de 1950 e meados da década de 1970. Em meio à pluralidade artística deste período, pode-se discutir este texto a partir do que Peter Szondi chama de crise do drama, entendida como aquela em que os temas surgidos a partir do desenvolvimento do capitalismo e suas contradições não mais se adéquam à forma antiga da Dramática o assim chamado drama burguês ou absoluto e fazem eclodir uma nova forma a que se chama de drama moderno. Nesta forma do drama, do diálogo emergem elementos épico-narrativos incorporados à estrutura. É preciso também discutir que, apesar de a peça de Dias Gomes apresentar, aparentemente, traços formais semelhantes aos das tragédias antigas (como o conflito trágico cerrado, unidade de ação, tempo e lugar, resquícios do coro, descomedimento e catástrofe), estes elementos estão em embate com a irrupção do épico, revelada na incapacidade de entendimento entre dois brasis, o rural e o urbano, materializado nos diálogos que se tornam, assim, improdutivos , abrindo espaço para o questionamento que avulta em nossa argumentação.
Resumo inglês:This study intends to analyze the critical reception to O pagador de promessas who takes this text by the aristotelian paradigm of tragedy. Through a historical-critical review about Brazilian modern theater and drama, this play is located next to national-popular trend, appointed as counter-hegemonic in the pursuit and consolidation of a national theater, between the late 1950s and mid of 1970s. Amid the artistic diversity of this period, this text can be argued between Peter Szondi s theory about crisis of the drama, understood as one in which the themes that emerged from the development of capitalism and its contradictions no longer fit the old Drama the so-called bourgeois drama or absolute drama and precipitates a new form: the modern drama. In this form of drama, from dialogue emerges a narrative elements incorporated into the dramatic structure. It also intends to discusses that even if the Dias Gomes play apparently has the formal features of ancient tragedies (as the tragic closed conflict, unity of action, time and space, remnants of the choir, immoderation and catastrophe), these elements are in confrontation with the epic already quite evident, such as the inability of understanding between two Brazils, rural and urban, materialized in the dialogues that become, in that way, unproductive , opening space for the question that looms large in our argumentation.