Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2019
Autor(a) principal: Borges, Felipe Azevedo
Orientador(a): Não Informado pela instituição
Banca de defesa: Não Informado pela instituição
Tipo de documento: Tese
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade Estadual Paulista (Unesp)
Programa de Pós-Graduação: Não Informado pela instituição
Departamento: Não Informado pela instituição
País: Não Informado pela instituição
Palavras-chave em Português:
Link de acesso: http://hdl.handle.net/11449/181903
Resumo: O látex natural extraído da Hevea brasiliensis apresenta atividade angiogênica, sendo empregado como próteses vasculares, suporte para osteoblastos, nanopartículas síntese, liberação de compostos, regeneração tecidual. Além disso, também tem sido utilizada como uma barreira para regeneração óssea guiada, dificultando invasão por células não osteogenicas na lesão óssea. O alginato é biocompatível, biodegradável, hidrofílico, e possui a capacidade de ativar macrófagos, auxiliando no processo de cicatrização e reepitelização do tecido. O PDGF-BB é um fator de crescimento que apresenta atividade angiogênica, mitogênica e quimiotáxica. Desta forma, este trabalho visou produzir, caracterizar e empregar blendas de látex e alginato (em diferentes proporções, com e sem reticulação por cálcio) para uso na regeneração óssea guiada. Os resultados mostraram que as blendas foram homogêneas, sem separação de fase, com superfície densa e sem porosidade. A adição de alginato, melhorou a hidrofilicidade da membrana de látex, segundo o intumescimento, ângulo de contato e permeação ao vapor de água. O alginato aumentou as propriedades mecânicas de tração do látex proporcional à adição de alginato, aumentando a tenção de ruptura de 0,88 MPa para até 16,46 MPa, e reduzindo o alongamento de 10,8 mm/mm para 1,5 mm/mm, assim como também aumentou sua degradação in vitro (de aproximadamente 1% para o látex natural, para 10% para membrana com 16% de alginato). As blendas não apresentaram efeito hemolítico (valores abaixo de 5%) nem citotóxico, proporcionando aumento da viabilidade da linhagem MC3T3-E1 de até 140%, conforme a proporção utilizada. Porém, ao ser utilizada em modelo de defeito na calvária de ratos, não foi encontrada diferença na regeneração óssea entre o controle, a membrana ou a membrana acrescida do fator de crescimento PDGF-BB.
id UNSP_30c062522e7499e6b77cb512f819d5b9
oai_identifier_str oai:repositorio.unesp.br:11449/181903
network_acronym_str UNSP
network_name_str Repositório Institucional da UNESP
repository_id_str
spelling Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração ósseaDevelopment of a natural latex and alginate membrane for bone regenerationLátexAlginatoBlenda poliméricaPDGF-BBRegeneração ósseaBiomaterialO látex natural extraído da Hevea brasiliensis apresenta atividade angiogênica, sendo empregado como próteses vasculares, suporte para osteoblastos, nanopartículas síntese, liberação de compostos, regeneração tecidual. Além disso, também tem sido utilizada como uma barreira para regeneração óssea guiada, dificultando invasão por células não osteogenicas na lesão óssea. O alginato é biocompatível, biodegradável, hidrofílico, e possui a capacidade de ativar macrófagos, auxiliando no processo de cicatrização e reepitelização do tecido. O PDGF-BB é um fator de crescimento que apresenta atividade angiogênica, mitogênica e quimiotáxica. Desta forma, este trabalho visou produzir, caracterizar e empregar blendas de látex e alginato (em diferentes proporções, com e sem reticulação por cálcio) para uso na regeneração óssea guiada. Os resultados mostraram que as blendas foram homogêneas, sem separação de fase, com superfície densa e sem porosidade. A adição de alginato, melhorou a hidrofilicidade da membrana de látex, segundo o intumescimento, ângulo de contato e permeação ao vapor de água. O alginato aumentou as propriedades mecânicas de tração do látex proporcional à adição de alginato, aumentando a tenção de ruptura de 0,88 MPa para até 16,46 MPa, e reduzindo o alongamento de 10,8 mm/mm para 1,5 mm/mm, assim como também aumentou sua degradação in vitro (de aproximadamente 1% para o látex natural, para 10% para membrana com 16% de alginato). As blendas não apresentaram efeito hemolítico (valores abaixo de 5%) nem citotóxico, proporcionando aumento da viabilidade da linhagem MC3T3-E1 de até 140%, conforme a proporção utilizada. Porém, ao ser utilizada em modelo de defeito na calvária de ratos, não foi encontrada diferença na regeneração óssea entre o controle, a membrana ou a membrana acrescida do fator de crescimento PDGF-BB.The natural latex extracted from Hevea brasiliensis presents angiogenic activity, being used as vascular prostheses, support for osteoblasts, nanoparticles synthesis, release of compounds, tissue regeneration. In addition, it has also been used as a barrier to guided bone regeneration, difficult ting the invasion by non-osteogenic cells in the bone lesion. The alginate is biocompatible, biodegradable, hydrophilic, and has the ability to activate macrophages, aiding in the healing process and tissue re-epithelization. PDGF-BB is a growth factor that presents angiogenic, mitogenic and chemotactic activity. In this way, this work aimed to produce, characterize and apply latex and alginate blends (in different proportions, with and without calcium crosslinking) for use in guided bone regeneration. The results showed that the blends were homogeneous, without phase separation, with a dense surface and no porosity. The addition of alginate improved the hydrophilicity of the latex membrane, according to swelling, contact angle and permeation to water vapor. Alginate increased the mechanical properties of the latex proportional to the addition of alginate, increasing the tensile strength from 0.88 MPa to up to 16.46 MPa, and reducing the elongation from 10.8 mm/mm to 1.5 mm/mm, as well as increased in vitro degradation (from about 1% for natural rubber latex to 10% for membrane with 16% alginate). The blends did not present a hemolytic effect (values below 5%) or cytotoxic, increasing the viability of the MC3T3-E1 lineage up to 140%, according to the proportion used. However, when used in a model of defect in rat calvaria, no difference was found in bone regeneration between the control, the membrane or the membrane plus the PDGF-BB growth factor.Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)140964/2015-0Universidade Estadual Paulista (Unesp)Oliveira, Guilherme Jose Pimentel Lopes deHerculano, Rondinelli Donizetti [UNESP]Universidade Estadual Paulista (Unesp)Borges, Felipe Azevedo2019-05-03T18:18:59Z2019-05-03T18:18:59Z2019-04-16info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/doctoralThesisapplication/pdfapplication/pdfhttp://hdl.handle.net/11449/18190300091602733004030077P0porinfo:eu-repo/semantics/openAccessreponame:Repositório Institucional da UNESPinstname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)instacron:UNESP2024-01-29T06:25:15Zoai:repositorio.unesp.br:11449/181903Repositório InstitucionalPUBhttp://repositorio.unesp.br/oai/requestopendoar:29462024-01-29T06:25:15Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)false
dc.title.none.fl_str_mv Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
Development of a natural latex and alginate membrane for bone regeneration
title Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
spellingShingle Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
Borges, Felipe Azevedo
Látex
Alginato
Blenda polimérica
PDGF-BB
Regeneração óssea
Biomaterial
title_short Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
title_full Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
title_fullStr Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
title_full_unstemmed Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
title_sort Desenvolvimento de uma membrana de látex natural e alginato para regeneração óssea
author Borges, Felipe Azevedo
author_facet Borges, Felipe Azevedo
author_role author
dc.contributor.none.fl_str_mv Oliveira, Guilherme Jose Pimentel Lopes de
Herculano, Rondinelli Donizetti [UNESP]
Universidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.contributor.author.fl_str_mv Borges, Felipe Azevedo
dc.subject.por.fl_str_mv Látex
Alginato
Blenda polimérica
PDGF-BB
Regeneração óssea
Biomaterial
topic Látex
Alginato
Blenda polimérica
PDGF-BB
Regeneração óssea
Biomaterial
description O látex natural extraído da Hevea brasiliensis apresenta atividade angiogênica, sendo empregado como próteses vasculares, suporte para osteoblastos, nanopartículas síntese, liberação de compostos, regeneração tecidual. Além disso, também tem sido utilizada como uma barreira para regeneração óssea guiada, dificultando invasão por células não osteogenicas na lesão óssea. O alginato é biocompatível, biodegradável, hidrofílico, e possui a capacidade de ativar macrófagos, auxiliando no processo de cicatrização e reepitelização do tecido. O PDGF-BB é um fator de crescimento que apresenta atividade angiogênica, mitogênica e quimiotáxica. Desta forma, este trabalho visou produzir, caracterizar e empregar blendas de látex e alginato (em diferentes proporções, com e sem reticulação por cálcio) para uso na regeneração óssea guiada. Os resultados mostraram que as blendas foram homogêneas, sem separação de fase, com superfície densa e sem porosidade. A adição de alginato, melhorou a hidrofilicidade da membrana de látex, segundo o intumescimento, ângulo de contato e permeação ao vapor de água. O alginato aumentou as propriedades mecânicas de tração do látex proporcional à adição de alginato, aumentando a tenção de ruptura de 0,88 MPa para até 16,46 MPa, e reduzindo o alongamento de 10,8 mm/mm para 1,5 mm/mm, assim como também aumentou sua degradação in vitro (de aproximadamente 1% para o látex natural, para 10% para membrana com 16% de alginato). As blendas não apresentaram efeito hemolítico (valores abaixo de 5%) nem citotóxico, proporcionando aumento da viabilidade da linhagem MC3T3-E1 de até 140%, conforme a proporção utilizada. Porém, ao ser utilizada em modelo de defeito na calvária de ratos, não foi encontrada diferença na regeneração óssea entre o controle, a membrana ou a membrana acrescida do fator de crescimento PDGF-BB.
publishDate 2019
dc.date.none.fl_str_mv 2019-05-03T18:18:59Z
2019-05-03T18:18:59Z
2019-04-16
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
format doctoralThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://hdl.handle.net/11449/181903
000916027
33004030077P0
url http://hdl.handle.net/11449/181903
identifier_str_mv 000916027
33004030077P0
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv application/pdf
application/pdf
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade Estadual Paulista (Unesp)
publisher.none.fl_str_mv Universidade Estadual Paulista (Unesp)
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Repositório Institucional da UNESP
instname:Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron:UNESP
instname_str Universidade Estadual Paulista (UNESP)
instacron_str UNESP
institution UNESP
reponame_str Repositório Institucional da UNESP
collection Repositório Institucional da UNESP
repository.name.fl_str_mv Repositório Institucional da UNESP - Universidade Estadual Paulista (UNESP)
repository.mail.fl_str_mv
_version_ 1803651943496679424