A alteridade e o imaginário feminino: o arquétipo da grande mãe em Maíra, de Darcy Ribeiro

O tema desta pesquisa é a primazia do princípio arquetípico feminino no romance Maíra, do antropólogo e romancista mineiro Darcy Ribeiro. Ao ficcionalizar o Outro e a questão da alteridade, Darcy Ribeiro faz predominar, no romance indigenista Maíra, imagens e recursos narrativos característicos do i...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2007
Main Author: Marques, Paulo Sérgio [UNESP]
Orientador/a: Camarani, Ana Luiza Silva [UNESP]
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://hdl.handle.net/11449/91573
Citação:MARQUES, Paulo Sérgio. A alteridade e o imaginário feminino: o arquétipo da grande mãe em Maíra, de Darcy Ribeiro. 2007. 214 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, 2007.
Resumo Português:O tema desta pesquisa é a primazia do princípio arquetípico feminino no romance Maíra, do antropólogo e romancista mineiro Darcy Ribeiro. Ao ficcionalizar o Outro e a questão da alteridade, Darcy Ribeiro faz predominar, no romance indigenista Maíra, imagens e recursos narrativos característicos do imaginário antropológico feminino e alusivos a uma cosmovisão prépatriarcal. Por meio da tese de Humberto Maturana, sobre a existência de culturas matrilineares ou matrísticas antes do patriarcado, e da divisão do imaginário em dois regimes, nas teorias de Gilbert Durand, procura-se demonstrar como a ficção de Darcy Ribeiro inverte paradigmas da narrativa tradicionalmente elaborada pelo ocidente patriarcal. Apoiando-se numa poética que gravita em torno de símbolos e imagens do corpo, da morte pacificada e do caos, Maíra positiva valores que o patriarcado sempre negou. Para apoiar esta análise, recorre-se ainda a outros autores da crítica mítica e da abordagem antropológica, como E. M. Meletínski, Mircea Eliade, Joseph Campbell e Erich Neumann, bem como à abordagem temática desenvolvida nos trabalhos de Gaston Bachelard.
Resumo inglês:El tema de esta pesquisa es la primacía del principio arquetipico femenino en la novela Maíra, del antropólogo y romancista minero Darcy Ribeiro. Al ficcionalizar el Otro y la cuestión de la alteridad, Darcy Ribeiro hace predominar, en la novela indigenista Maíra, imágenes y recursos narrativos característicos del imaginario antropológico femenino y alusivos a una cosmovisión ante-patriarcal. A través de la tesis de Humberto Maturana, sobre la existencia de culturas matrilineares antes del patriarcado, y de la división del imaginario en dos regímenes, en las teorías de Gilbert Durand, busca-se demostrar como la ficción de Darcy Ribeiro invierte paradigmas de la narrativa tradicionalmente elaborada por el occidente patriarcal. Apoyándose en una poética que gravita en torno de símbolos y imágenes del cuerpo, de la muerte pacificada y del caos, Maíra positiva valores que el patriarcado siempre niego. Para apoyar esta análisis, recorre-se también a otros autores de la crítica mítica y de la abordaje antropológica, como Meletínski, Eliade, Campbell e Neumann, así como a la abordaje temática desarrollada por los trabajos de Gaston Bachelard.