Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2015
Autor(a) principal: Gabriela Izar
Orientador(a): Luiz Americo de Souza Munari
Banca de defesa: Maria Camila Loffredo D'Ottaviano, Sylvio Arnoldo Dick Jantzen, Celso Lomonte Minozzi, Artur Simões Rozestraten
Tipo de documento: Tese
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação: Arquitetura e Urbanismo
Departamento: Não Informado pela instituição
País: BR
Link de acesso: https://doi.org/10.11606/T.16.2015.tde-05092015-111523
Resumo: Essa pesquisa objetiva examinar o papel do diagrama nas casas seriadas do arquiteto americano Peter Eisenman e evidenciar a base formal de seu trabalho de projeto. Trabalha-se com a hipótese de que seus diagramas são a priori, isto é, antecedem as questões de programa, e que seu trabalho diagramático forja um contexto que faz das obras os objetos de uma rede de relações de formas e de significados. A partir do início dos anos sessenta, o diagrama passa a ser a chave de seu projeto teórico, que tem como problema de fundo o mito de uma arquitetura autônoma, formulada na fronteira entre as disciplinas da semiótica, da fenomenologia, da cognição e da filosofia. Nessa fronteira, o diagrama participa operativamente da ideia de uma arquitetura conceitual que não se afirma simplesmente pela presença do edifício, mas fundamentalmente por relações lógicas que constituem a base da abordagem formalista da arquitetura. Em princípio, a tese apresenta os diferentes significados que o diagrama assume nas várias áreas do conhecimento e procura destacar a contribuição de Eisenman na investigação sobre o papel operativo do conceito no projeto arquitetônico. Segue-se a esse tópico a contextualização da agenda teórica de Eisenman a partir de sua inserção no ambiente cultural inglês, quando ele assimila o recorte analítico de seu mentor, Colin Rowe, para formular a sua primeira crítica ao funcionalismo. Como contraponto à ideia de que Eisenman aborda os diagramas como um a priori formal, examina-se os conceitos de diagrama e de forma na tese de doutorado de Christopher Alexander, texto em que ele defende uma visão mecanicista do diagrama como solução extensiva do projeto. A partir desses contextos, desenvolve-se um exame do papel dos diagramas nas leituras do precedente histórico que Eisenman empreende em análises formais de obras modernistas e de obras do arquiteto italiano Giuseppe Terragni. Tomando-se como premissa que seu trabalho analítico começa já na construção dos textos críticos, evidencia-se as bases formais dos diagramas do texto de Eisenman e a transposição dessas bases para o conjunto de estudos de casas que ele reúne como uma série de objetos numerados, de 1 a 11 A. A partir do levantamento e da classificação de um grande volume de registros gráficos e de escritos sobre essas obras, descrevem-se as referências e as articulações dos diagramas que constituem a pré-história do experimento de projeto de Peter Eisenman. Como conclusão, retorna-se aos textos do autor, escritos durante e após os projetos das casas, para se apontar a opção de Eisenman por fundamentar seu discurso com conceitos da linguística e da filosofia, em detrimento de uma explicitação do diagrama como sua chave formal e conceitual, para ler e para construir a arquitetura. A partir da constatação de que o diagrama de Eisenman é um dispositivo de linguagem que lhe permite discutir as regras da representação e as convenções do discurso sobre a forma de dentro do exercício de projeto, considera-se que seu trabalho diagramático coloca a perspectiva de um modo de conhecimento autônomo, fundado na racionalidade formal.
id USP_1cc561f2712247d7423988a9386ee247
oai_identifier_str oai:teses.usp.br:tde-05092015-111523
network_acronym_str USP
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository_id_str
spelling info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/doctoralThesis Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman Diagrammatic : description and creation of forms in architecture serial of Peter Eisenman 2015-05-15Luiz Americo de Souza MunariMaria Camila Loffredo D'OttavianoSylvio Arnoldo Dick JantzenCelso Lomonte MinozziArtur Simões RozestratenGabriela IzarUniversidade de São PauloArquitetura e UrbanismoUSPBR Architecture Architecture (Critics; representation) Architecture design Arquitetura Arquitetura (Crítica; representação) Arquitetura seriada Diagram Diagrama Peter Eisenman (1932) Peter Eisenman (1932) Projeto de arquitetura Serial architecture Essa pesquisa objetiva examinar o papel do diagrama nas casas seriadas do arquiteto americano Peter Eisenman e evidenciar a base formal de seu trabalho de projeto. Trabalha-se com a hipótese de que seus diagramas são a priori, isto é, antecedem as questões de programa, e que seu trabalho diagramático forja um contexto que faz das obras os objetos de uma rede de relações de formas e de significados. A partir do início dos anos sessenta, o diagrama passa a ser a chave de seu projeto teórico, que tem como problema de fundo o mito de uma arquitetura autônoma, formulada na fronteira entre as disciplinas da semiótica, da fenomenologia, da cognição e da filosofia. Nessa fronteira, o diagrama participa operativamente da ideia de uma arquitetura conceitual que não se afirma simplesmente pela presença do edifício, mas fundamentalmente por relações lógicas que constituem a base da abordagem formalista da arquitetura. Em princípio, a tese apresenta os diferentes significados que o diagrama assume nas várias áreas do conhecimento e procura destacar a contribuição de Eisenman na investigação sobre o papel operativo do conceito no projeto arquitetônico. Segue-se a esse tópico a contextualização da agenda teórica de Eisenman a partir de sua inserção no ambiente cultural inglês, quando ele assimila o recorte analítico de seu mentor, Colin Rowe, para formular a sua primeira crítica ao funcionalismo. Como contraponto à ideia de que Eisenman aborda os diagramas como um a priori formal, examina-se os conceitos de diagrama e de forma na tese de doutorado de Christopher Alexander, texto em que ele defende uma visão mecanicista do diagrama como solução extensiva do projeto. A partir desses contextos, desenvolve-se um exame do papel dos diagramas nas leituras do precedente histórico que Eisenman empreende em análises formais de obras modernistas e de obras do arquiteto italiano Giuseppe Terragni. Tomando-se como premissa que seu trabalho analítico começa já na construção dos textos críticos, evidencia-se as bases formais dos diagramas do texto de Eisenman e a transposição dessas bases para o conjunto de estudos de casas que ele reúne como uma série de objetos numerados, de 1 a 11 A. A partir do levantamento e da classificação de um grande volume de registros gráficos e de escritos sobre essas obras, descrevem-se as referências e as articulações dos diagramas que constituem a pré-história do experimento de projeto de Peter Eisenman. Como conclusão, retorna-se aos textos do autor, escritos durante e após os projetos das casas, para se apontar a opção de Eisenman por fundamentar seu discurso com conceitos da linguística e da filosofia, em detrimento de uma explicitação do diagrama como sua chave formal e conceitual, para ler e para construir a arquitetura. A partir da constatação de que o diagrama de Eisenman é um dispositivo de linguagem que lhe permite discutir as regras da representação e as convenções do discurso sobre a forma de dentro do exercício de projeto, considera-se que seu trabalho diagramático coloca a perspectiva de um modo de conhecimento autônomo, fundado na racionalidade formal. This research examines the role of the diagram in the series of houses designed by American architect, Peter Eisenman, and underlines the formal basis of his design work. The hypothesis is that his diagrams are a priori, meaning they precede any issues in the program, and that his diagrammatic work creates a context that makes the projects objects in a network of relationships of forms and meanings. From the early 1960s, the diagram became the key to his theoretical thinking, which has, as its basic problem, the myth of an autonomous architecture, formulated on the border between the disciplines of semiotics, phenomenology, cognition, and philosophy. On this border, the diagram takes an operative part in the idea of a conceptual architecture that does not simply affirm itself by the presence of the building but fundamentally by logical relationships that form the basis of a formalistic approach to architecture. The first chapter presents the main meanings a diagram assumes in different areas of knowledge and seeks to highlight Eisenman\'s contribution to the investigation into the operative role of the concept in an architectural project. This chapter is followed by the contextualization of Eisenman\'s theoretical agenda, from its insertion into the English cultural environment, when he assimilates the analytical approach of his mentor, Colin Rowe, then to formulate his first critique of functionalism. As a counterpoint to the idea that Eisenman addresses diagrams as a formal a priori principle, the concepts of the diagram and form in the doctorate thesis by Christopher Alexander are examined, a text in which he advocates a mechanistic view of the diagram as an extensive design solution. From these contexts, an examination is developed, about the role of diagrams in historical readings that Eisenman uses in his formal analysis of modernist works, and in the works by the Italian architect, Giuseppe Terragni. Assuming as a premise that his analytical work already starts with the construction of critical texts, the fifth and sixth chapter highlight the formal basis of the diagrams in Eisenman\'s text, and the transposition of these basis for his houses studies, which he gathers together as a series of numbered objects, from 1 to 11 A. Based on a archival survey, on the classification of a large volume of project records and writings about these works, the chapter eighth describes the prehistory of Peter Eisenman\'s design experiment: the diagram\'s references and articulations extensive to the whole series. In conclusion, the author\'s texts, written during and after the house projects, are returned to in order to identify Eisenman\'s decision to base his ideas on concepts from linguistics and philosophy, rather than on an explanation of the diagram as the formal and conceptual key, with which he read and constructed architecture. After noting that Eisenman\'s diagram is a device of language that allows him to discuss the rules of architectural representation and the conventions of discourse on how to exercise it within a project, it is considered that his work with diagrams develops in the perspective of an autonomous mode of knowledge, based on formal rationality. https://doi.org/10.11606/T.16.2015.tde-05092015-111523info:eu-repo/semantics/openAccessporreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USPinstname:Universidade de São Paulo (USP)instacron:USP2023-12-21T18:16:40Zoai:teses.usp.br:tde-05092015-111523Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttp://www.teses.usp.br/PUBhttp://www.teses.usp.br/cgi-bin/mtd2br.plvirginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.bropendoar:27212016-07-28T16:11:57Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)false
dc.title.pt.fl_str_mv Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Diagrammatic : description and creation of forms in architecture serial of Peter Eisenman
title Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
spellingShingle Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
Gabriela Izar
title_short Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
title_full Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
title_fullStr Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
title_full_unstemmed Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
title_sort Diagramática: descrição e criação das formas na arquitetura seriada de Peter Eisenman
author Gabriela Izar
author_facet Gabriela Izar
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Luiz Americo de Souza Munari
dc.contributor.referee1.fl_str_mv Maria Camila Loffredo D'Ottaviano
dc.contributor.referee2.fl_str_mv Sylvio Arnoldo Dick Jantzen
dc.contributor.referee3.fl_str_mv Celso Lomonte Minozzi
dc.contributor.referee4.fl_str_mv Artur Simões Rozestraten
dc.contributor.author.fl_str_mv Gabriela Izar
contributor_str_mv Luiz Americo de Souza Munari
Maria Camila Loffredo D'Ottaviano
Sylvio Arnoldo Dick Jantzen
Celso Lomonte Minozzi
Artur Simões Rozestraten
description Essa pesquisa objetiva examinar o papel do diagrama nas casas seriadas do arquiteto americano Peter Eisenman e evidenciar a base formal de seu trabalho de projeto. Trabalha-se com a hipótese de que seus diagramas são a priori, isto é, antecedem as questões de programa, e que seu trabalho diagramático forja um contexto que faz das obras os objetos de uma rede de relações de formas e de significados. A partir do início dos anos sessenta, o diagrama passa a ser a chave de seu projeto teórico, que tem como problema de fundo o mito de uma arquitetura autônoma, formulada na fronteira entre as disciplinas da semiótica, da fenomenologia, da cognição e da filosofia. Nessa fronteira, o diagrama participa operativamente da ideia de uma arquitetura conceitual que não se afirma simplesmente pela presença do edifício, mas fundamentalmente por relações lógicas que constituem a base da abordagem formalista da arquitetura. Em princípio, a tese apresenta os diferentes significados que o diagrama assume nas várias áreas do conhecimento e procura destacar a contribuição de Eisenman na investigação sobre o papel operativo do conceito no projeto arquitetônico. Segue-se a esse tópico a contextualização da agenda teórica de Eisenman a partir de sua inserção no ambiente cultural inglês, quando ele assimila o recorte analítico de seu mentor, Colin Rowe, para formular a sua primeira crítica ao funcionalismo. Como contraponto à ideia de que Eisenman aborda os diagramas como um a priori formal, examina-se os conceitos de diagrama e de forma na tese de doutorado de Christopher Alexander, texto em que ele defende uma visão mecanicista do diagrama como solução extensiva do projeto. A partir desses contextos, desenvolve-se um exame do papel dos diagramas nas leituras do precedente histórico que Eisenman empreende em análises formais de obras modernistas e de obras do arquiteto italiano Giuseppe Terragni. Tomando-se como premissa que seu trabalho analítico começa já na construção dos textos críticos, evidencia-se as bases formais dos diagramas do texto de Eisenman e a transposição dessas bases para o conjunto de estudos de casas que ele reúne como uma série de objetos numerados, de 1 a 11 A. A partir do levantamento e da classificação de um grande volume de registros gráficos e de escritos sobre essas obras, descrevem-se as referências e as articulações dos diagramas que constituem a pré-história do experimento de projeto de Peter Eisenman. Como conclusão, retorna-se aos textos do autor, escritos durante e após os projetos das casas, para se apontar a opção de Eisenman por fundamentar seu discurso com conceitos da linguística e da filosofia, em detrimento de uma explicitação do diagrama como sua chave formal e conceitual, para ler e para construir a arquitetura. A partir da constatação de que o diagrama de Eisenman é um dispositivo de linguagem que lhe permite discutir as regras da representação e as convenções do discurso sobre a forma de dentro do exercício de projeto, considera-se que seu trabalho diagramático coloca a perspectiva de um modo de conhecimento autônomo, fundado na racionalidade formal.
publishDate 2015
dc.date.issued.fl_str_mv 2015-05-15
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
format doctoralThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://doi.org/10.11606/T.16.2015.tde-05092015-111523
url https://doi.org/10.11606/T.16.2015.tde-05092015-111523
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.publisher.program.fl_str_mv Arquitetura e Urbanismo
dc.publisher.initials.fl_str_mv USP
dc.publisher.country.fl_str_mv BR
publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
instname:Universidade de São Paulo (USP)
instacron:USP
instname_str Universidade de São Paulo (USP)
instacron_str USP
institution USP
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)
repository.mail.fl_str_mv virginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.br
_version_ 1786376584248164352