Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 1997
Autor(a) principal: Karin do Amaral Riske
Orientador(a): Maria Teresa Moura Lamy
Banca de defesa: Vera Bohomoletz Henriques, Ana Maria Carmona Ribeiro
Tipo de documento: Dissertação
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação: Física
Departamento: Não Informado pela instituição
País: BR
Link de acesso: https://doi.org/10.11606/D.43.1997.tde-05082013-145648
Resumo: A dependência com a temperatura da intensidade de luz espalhada por dispersões aquosas do lipídio aniônico DMPG (dimiristoil fosfatidilglicerol) foi estudada para diferentes forças iônicas. A transição principal, gel - líquido cristal, pode ser bem monitorada por um decréscimo abrupto na turbidez. Como esperado, a temperatura da transição de fase principal (Tm) aumenta com o aumento da força iônica. Para baixa força iônica, uma segunda transição com a temperatura para o DMPG, chamada de pós-transição, pode ser monitorada tanto por um aumento no espalhamento de luz quanto por um decréscimo na condutividade. Análises de Zimm plot indicam que abaixo de Tm os lipossomos tendem a se agregar, resultando em um segundo coeficiente de virial, A2, negativo, e em uma grande massa molecular da partícula. Na transição de fase, juntamente com uma diminuição na turbidez, ocorre um aumento na condutividade da amostra, A2 torna-se positivo e a massa molecular da partícula diminui, indicando um estado não agregado. Além disso, na pós-transição (Tp) A2 torna-se muito pequeno, e a massa molecular aumenta novamente. Ambas as transições são reversíveis. Opostamente à transição principal, a pós-transição não pôde ser detectada por marcadores de spin situados tanto na superfície da membrana quanto em seu interior. Considerando um aumento na área por cabeça polar do lipídio após a transição principal, e o modelo de Stern-Gouy-Chapman, foi possível mostrar que a transição causa um aumento no grau de dissociação da vesícula, aumentando portanto a concentração de íons em solução. Entretanto, dentro da estrutura desse modelo simples, foi necessário considerar diferentes constante de associação Na+-DMPG nas fases gel e líquido cristal, para explicar um aumento na repulsão entre as vesículas com a transição principal. Os mecanismos que governam a pós-transição são ainda menos claros.
id USP_255f187d1ad68590b4916847cfe339ae
oai_identifier_str oai:teses.usp.br:tde-05082013-145648
network_acronym_str USP
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository_id_str
spelling info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/masterThesis Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio Structural properties of charged lipid dispersions of dimyristoyl phosphatidylglycerol: variations with temperature and ionic strength of the medium. 1997-02-21Maria Teresa Moura LamyVera Bohomoletz HenriquesAna Maria Carmona RibeiroKarin do Amaral RiskeUniversidade de São PauloFísicaUSPBR Condensed matter Física Matéria condensada Physics A dependência com a temperatura da intensidade de luz espalhada por dispersões aquosas do lipídio aniônico DMPG (dimiristoil fosfatidilglicerol) foi estudada para diferentes forças iônicas. A transição principal, gel - líquido cristal, pode ser bem monitorada por um decréscimo abrupto na turbidez. Como esperado, a temperatura da transição de fase principal (Tm) aumenta com o aumento da força iônica. Para baixa força iônica, uma segunda transição com a temperatura para o DMPG, chamada de pós-transição, pode ser monitorada tanto por um aumento no espalhamento de luz quanto por um decréscimo na condutividade. Análises de Zimm plot indicam que abaixo de Tm os lipossomos tendem a se agregar, resultando em um segundo coeficiente de virial, A2, negativo, e em uma grande massa molecular da partícula. Na transição de fase, juntamente com uma diminuição na turbidez, ocorre um aumento na condutividade da amostra, A2 torna-se positivo e a massa molecular da partícula diminui, indicando um estado não agregado. Além disso, na pós-transição (Tp) A2 torna-se muito pequeno, e a massa molecular aumenta novamente. Ambas as transições são reversíveis. Opostamente à transição principal, a pós-transição não pôde ser detectada por marcadores de spin situados tanto na superfície da membrana quanto em seu interior. Considerando um aumento na área por cabeça polar do lipídio após a transição principal, e o modelo de Stern-Gouy-Chapman, foi possível mostrar que a transição causa um aumento no grau de dissociação da vesícula, aumentando portanto a concentração de íons em solução. Entretanto, dentro da estrutura desse modelo simples, foi necessário considerar diferentes constante de associação Na+-DMPG nas fases gel e líquido cristal, para explicar um aumento na repulsão entre as vesículas com a transição principal. Os mecanismos que governam a pós-transição são ainda menos claros. The temperature dependence of the intensity of light scattered by aqueous dispersions of the anionic lipid DMPG (dimyristoyl phosphatidylglycerol) was studied at different ionic strengths. The lipid main transition, gel-liquid crystal, can be well monitored by a sharp decrease in turbidity. As expected, the temperature of the main transition (Tm) was found to increase with the increase of the ionic strength. For low ionic strength, a DMPG second temperature transition, named post-transition, can be monitored by both an increase in light scattering and a decrease in conductivity. Zimm plot analysis indicates that bellow Tm the liposomes tend to aggregate, yielding a negative second virial coefficient A2, and particles of large molecular weight. At the phase transition, parallel to the decrease in turbidity, there is an increase in the sample conductivity, A2 becomes positive and the particle molecular weight decreases, indicating a non-aggregated state. Moreover, at the post-transition (Tp) A2 becomes very small, and the molecular weight increases again. Both the main and post transitions were found to be reversible. Opposite to the main transition, the post-transition could not be detected by spin labels placed either at the membrane surface, or in the bilayer core. Considering an increase in area per lipid headgroup upon the main transition, and the Stern-Gouy- Chapman model, it was possible to show that the main transition increases the vesicle degree of dissociation, hence increasing the ion concentration in solution. However, within the framework of that simple model, it was necessary to consider different Na+- DMPG association constants, in the gel and liquid phases, to explain an increase in vesicles repulsion upon the main transition. The mechanisms governing the posttransition are even less clear. https://doi.org/10.11606/D.43.1997.tde-05082013-145648info:eu-repo/semantics/openAccessporreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USPinstname:Universidade de São Paulo (USP)instacron:USP2023-12-21T18:16:22Zoai:teses.usp.br:tde-05082013-145648Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttp://www.teses.usp.br/PUBhttp://www.teses.usp.br/cgi-bin/mtd2br.plvirginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.bropendoar:27212016-07-28T16:10:36Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)false
dc.title.pt.fl_str_mv Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Structural properties of charged lipid dispersions of dimyristoyl phosphatidylglycerol: variations with temperature and ionic strength of the medium.
title Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
spellingShingle Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
Karin do Amaral Riske
title_short Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
title_full Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
title_fullStr Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
title_full_unstemmed Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
title_sort Propriedades Estruturais de Dispersões Lipídicas Carregadas de Dimiristoil Fosfatidilglicerol: Variações com a Temperatura e Força Iônica do Meio
author Karin do Amaral Riske
author_facet Karin do Amaral Riske
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Maria Teresa Moura Lamy
dc.contributor.referee1.fl_str_mv Vera Bohomoletz Henriques
dc.contributor.referee2.fl_str_mv Ana Maria Carmona Ribeiro
dc.contributor.author.fl_str_mv Karin do Amaral Riske
contributor_str_mv Maria Teresa Moura Lamy
Vera Bohomoletz Henriques
Ana Maria Carmona Ribeiro
description A dependência com a temperatura da intensidade de luz espalhada por dispersões aquosas do lipídio aniônico DMPG (dimiristoil fosfatidilglicerol) foi estudada para diferentes forças iônicas. A transição principal, gel - líquido cristal, pode ser bem monitorada por um decréscimo abrupto na turbidez. Como esperado, a temperatura da transição de fase principal (Tm) aumenta com o aumento da força iônica. Para baixa força iônica, uma segunda transição com a temperatura para o DMPG, chamada de pós-transição, pode ser monitorada tanto por um aumento no espalhamento de luz quanto por um decréscimo na condutividade. Análises de Zimm plot indicam que abaixo de Tm os lipossomos tendem a se agregar, resultando em um segundo coeficiente de virial, A2, negativo, e em uma grande massa molecular da partícula. Na transição de fase, juntamente com uma diminuição na turbidez, ocorre um aumento na condutividade da amostra, A2 torna-se positivo e a massa molecular da partícula diminui, indicando um estado não agregado. Além disso, na pós-transição (Tp) A2 torna-se muito pequeno, e a massa molecular aumenta novamente. Ambas as transições são reversíveis. Opostamente à transição principal, a pós-transição não pôde ser detectada por marcadores de spin situados tanto na superfície da membrana quanto em seu interior. Considerando um aumento na área por cabeça polar do lipídio após a transição principal, e o modelo de Stern-Gouy-Chapman, foi possível mostrar que a transição causa um aumento no grau de dissociação da vesícula, aumentando portanto a concentração de íons em solução. Entretanto, dentro da estrutura desse modelo simples, foi necessário considerar diferentes constante de associação Na+-DMPG nas fases gel e líquido cristal, para explicar um aumento na repulsão entre as vesículas com a transição principal. Os mecanismos que governam a pós-transição são ainda menos claros.
publishDate 1997
dc.date.issued.fl_str_mv 1997-02-21
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/masterThesis
format masterThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://doi.org/10.11606/D.43.1997.tde-05082013-145648
url https://doi.org/10.11606/D.43.1997.tde-05082013-145648
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.publisher.program.fl_str_mv Física
dc.publisher.initials.fl_str_mv USP
dc.publisher.country.fl_str_mv BR
publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
instname:Universidade de São Paulo (USP)
instacron:USP
instname_str Universidade de São Paulo (USP)
instacron_str USP
institution USP
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)
repository.mail.fl_str_mv virginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.br
_version_ 1786376581866848256