O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2007
Autor(a) principal: Celiane Camargo Borges
Orientador(a): Silvana Martins Mishima
Banca de defesa: Maria Cecilia Puntel de Almeida, Marisa Japur, Sheila Mcnamee, Emerson Fernando Rasera
Tipo de documento: Tese
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação: Enfermagem em Saúde Pública
Departamento: Não Informado pela instituição
País: BR
Link de acesso: https://doi.org/10.11606/T.22.2007.tde-05102007-113033
Resumo: A presente pesquisa traz reflexões epistemológicas e metodológicas visando contribuir na conformação de novos saberes em saúde, no campo da Atenção Primária, problematizando a dicotomia sujeito-objeto e o discurso monovocálico do conhecimento e da verdade. Proponho uma aproximação do discurso científico pós-moderno do construcionismo social ao discurso contemporâneo da saúde no campo da Atenção Primária à Saúde, mais especificamente na Estratégia Saúde da Família (ESF). O construcionismo social tem sido descrito como teoria relacional; uma perspectiva que focaliza o caráter construído, situado e relacional do conhecimento. Aponta a riqueza da multiplicidade dos diálogos, preocupando-se com o que acontece entre as pessoas nos seus encontros e como se dá a construção de sentidos nestas relações. O discurso da ESF também tem em suas premissas o caráter relacional, contextual e construído da produção de práticas. Assim, tenho por objetivo construir possíveis articulações entre esses dois discursos, apontando fertilidades nesta articulação. O construcionismo social é proposto como ferramenta teórico-prática para contribuir com a operacionalização das premissas da ESF ? integralidade, co-responsabilidade, sensibilidade ao contexto local, à multiplicidade e a diversidade dos atores sociais envolvidos. Empiricamente, trata-se da análise de um grupo de hipertensão que ocorre semanalmente em uma Unidade de Saúde da Família de Ribeirão Preto-SP/Brasil, utilizando o conceito de Responsabilidade Relacional (RR) como ferramenta teórico/prática, contribuindo na construção de intervenções colaborativas e co-responsáveis em saúde. Para coleta de dados utilizei os registros do prontuário do grupo; sua áudio-gravação durante o primeiro semestre de 2005; e o registro em notas de campo. A análise de dados consistiu da transcrição das conversas grupais, realização de leitura extensiva de todas as suas conversas gerando a construção de uma crônica do grupo e de eixos processuais. Os três eixos de análise selecionados focaram para aspectos conversacionais deste grupo e seu contexto relacional diferenciado. No primeiro eixo, abordou-se o grupo como um espaço para a expressão dos participantes, proporcionando a construção e negociação coletiva das necessidades de saúde; no segundo, os recortes mostraram este grupo exercendo um elo entre a unidade de saúde e a comunidade, e finalmente no terceiro, o grupo foi tomado como espaço privilegiado de acolhimento aos participantes, favorecendo conversas para ampliação de sentidos na saúde, como também sua transformação. Assim, a análise deu visibilidade a posturas de RR dentro dos processos conversacionais, promovendo diversidade e multiplicidade e favorecendo vínculo e engajamento. Desta forma, aponto a importância das práticas dialógicas na construção de relações mais colaborativas entre trabalhadores de saúde-usuários, e a RR como recurso promotor de novas possibilidades em saúde.
id USP_40c585bad8ae0939dfac62204b3f88b9
oai_identifier_str oai:teses.usp.br:tde-05102007-113033
network_acronym_str USP
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository_id_str
spelling info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/doctoralThesis O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas Constructionism in the contexto of Family Health Program: articulating knowledges and practices 2007-08-09Silvana Martins MishimaMaria Cecilia Puntel de AlmeidaMarisa JapurSheila McnameeEmerson Fernando RaseraCeliane Camargo BorgesUniversidade de São PauloEnfermagem em Saúde PúblicaUSPBR Atenção Primária à Saúde Construcionismo Social Discursive Practices Family Health Program Práticas Discursivas Primary Health Care Relational Responsibility Responsabilidade Relacional Saúde da Família Social Constructionism A presente pesquisa traz reflexões epistemológicas e metodológicas visando contribuir na conformação de novos saberes em saúde, no campo da Atenção Primária, problematizando a dicotomia sujeito-objeto e o discurso monovocálico do conhecimento e da verdade. Proponho uma aproximação do discurso científico pós-moderno do construcionismo social ao discurso contemporâneo da saúde no campo da Atenção Primária à Saúde, mais especificamente na Estratégia Saúde da Família (ESF). O construcionismo social tem sido descrito como teoria relacional; uma perspectiva que focaliza o caráter construído, situado e relacional do conhecimento. Aponta a riqueza da multiplicidade dos diálogos, preocupando-se com o que acontece entre as pessoas nos seus encontros e como se dá a construção de sentidos nestas relações. O discurso da ESF também tem em suas premissas o caráter relacional, contextual e construído da produção de práticas. Assim, tenho por objetivo construir possíveis articulações entre esses dois discursos, apontando fertilidades nesta articulação. O construcionismo social é proposto como ferramenta teórico-prática para contribuir com a operacionalização das premissas da ESF ? integralidade, co-responsabilidade, sensibilidade ao contexto local, à multiplicidade e a diversidade dos atores sociais envolvidos. Empiricamente, trata-se da análise de um grupo de hipertensão que ocorre semanalmente em uma Unidade de Saúde da Família de Ribeirão Preto-SP/Brasil, utilizando o conceito de Responsabilidade Relacional (RR) como ferramenta teórico/prática, contribuindo na construção de intervenções colaborativas e co-responsáveis em saúde. Para coleta de dados utilizei os registros do prontuário do grupo; sua áudio-gravação durante o primeiro semestre de 2005; e o registro em notas de campo. A análise de dados consistiu da transcrição das conversas grupais, realização de leitura extensiva de todas as suas conversas gerando a construção de uma crônica do grupo e de eixos processuais. Os três eixos de análise selecionados focaram para aspectos conversacionais deste grupo e seu contexto relacional diferenciado. No primeiro eixo, abordou-se o grupo como um espaço para a expressão dos participantes, proporcionando a construção e negociação coletiva das necessidades de saúde; no segundo, os recortes mostraram este grupo exercendo um elo entre a unidade de saúde e a comunidade, e finalmente no terceiro, o grupo foi tomado como espaço privilegiado de acolhimento aos participantes, favorecendo conversas para ampliação de sentidos na saúde, como também sua transformação. Assim, a análise deu visibilidade a posturas de RR dentro dos processos conversacionais, promovendo diversidade e multiplicidade e favorecendo vínculo e engajamento. Desta forma, aponto a importância das práticas dialógicas na construção de relações mais colaborativas entre trabalhadores de saúde-usuários, e a RR como recurso promotor de novas possibilidades em saúde. This research brings epistemological and methodological reflections aiming to contribute to new knowledges in Healthcare, in the field of the Primary Care, problematizing the object-subject dichotomy and the monovocal discourse of knowledge and true. I propose an approach to the post-modern scientific discourse of social constructionism with the contemporary discourse of Health in the field of Primary Care, specifically in the Family Healthcare Program (ESF). Social constructionism has been described as a relational theory, in a perspective which focus the constructed, situated and relational character of knowledge. It points to the multiplicity of dialogues, concerning to what happen among people in their encounters and how do they make meaning in these interactions. The Family Healthcare Program s discourse has also in its premises the relational, contextual and constructed character in the production of the practices Thus, the objective is to construct articulations between these two discourses, pointing to the utility of this articulation. Social constructionism is proposed as a useful theoretical-practical tool contributing to the operationalization of the premises of the Program, which include: coresponsibility, sensibility to the local context, sensibility to multiplicity and sensitivity to the diversity of the social actors involved. Empirically, it is about the analysis of a hypertension group which gathers weekly in a Family Healthcare Center placed in the city of Ribeirão Preto-SP- Brazil. The concept of Relational Responsibility is used as an analytic resource, contributing with the construction of collaborative and co-responsible interventions in health. For the data collection I used the registration of the group written in the historical record; my participation in the group and the recording during the first semester of 2005; and the group diary. The analysis consisted of the transcriptions of the group conversations and extensive readings of all the conversations transcribed. From this close reading, a narrative of the group was created and placed upon various axes for purposes of analysis. The three axes selected for the analysis focused to the visibility of the conversational aspects in this group and its differentiated relational context. The first axis presents the group as a space for the expression of the participants, providing the collective construction and negotiation of needs in Health; the second axis documents the group creating a link between the health center and the community, and finally the third axis represents the way in which the group created a privileged welcoming space to the participants, favoring conversations that open up new meanings and understandings in healthcare and thus make possible transformation. In this way, the analysis points to the ways in which-through conversational processes- a stance of Relational Responsibility can promote the development of talk which allows diversity, multiplicity, connection and engagement. Thus, this understanding gives centrality to dialogical practices that promote more collaborative relationships between health professionals and users. Relational Responsibility is seen as a resource of new possibilities in Health. https://doi.org/10.11606/T.22.2007.tde-05102007-113033info:eu-repo/semantics/openAccessporreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USPinstname:Universidade de São Paulo (USP)instacron:USP2023-12-21T18:16:52Zoai:teses.usp.br:tde-05102007-113033Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttp://www.teses.usp.br/PUBhttp://www.teses.usp.br/cgi-bin/mtd2br.plvirginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.bropendoar:27212016-07-28T16:09:54Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)false
dc.title.pt.fl_str_mv O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Constructionism in the contexto of Family Health Program: articulating knowledges and practices
title O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
spellingShingle O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
Celiane Camargo Borges
title_short O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
title_full O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
title_fullStr O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
title_full_unstemmed O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
title_sort O construcionismo social no contexto da estratégia saúde da família: articulando saberes e práticas
author Celiane Camargo Borges
author_facet Celiane Camargo Borges
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Silvana Martins Mishima
dc.contributor.referee1.fl_str_mv Maria Cecilia Puntel de Almeida
dc.contributor.referee2.fl_str_mv Marisa Japur
dc.contributor.referee3.fl_str_mv Sheila Mcnamee
dc.contributor.referee4.fl_str_mv Emerson Fernando Rasera
dc.contributor.author.fl_str_mv Celiane Camargo Borges
contributor_str_mv Silvana Martins Mishima
Maria Cecilia Puntel de Almeida
Marisa Japur
Sheila Mcnamee
Emerson Fernando Rasera
description A presente pesquisa traz reflexões epistemológicas e metodológicas visando contribuir na conformação de novos saberes em saúde, no campo da Atenção Primária, problematizando a dicotomia sujeito-objeto e o discurso monovocálico do conhecimento e da verdade. Proponho uma aproximação do discurso científico pós-moderno do construcionismo social ao discurso contemporâneo da saúde no campo da Atenção Primária à Saúde, mais especificamente na Estratégia Saúde da Família (ESF). O construcionismo social tem sido descrito como teoria relacional; uma perspectiva que focaliza o caráter construído, situado e relacional do conhecimento. Aponta a riqueza da multiplicidade dos diálogos, preocupando-se com o que acontece entre as pessoas nos seus encontros e como se dá a construção de sentidos nestas relações. O discurso da ESF também tem em suas premissas o caráter relacional, contextual e construído da produção de práticas. Assim, tenho por objetivo construir possíveis articulações entre esses dois discursos, apontando fertilidades nesta articulação. O construcionismo social é proposto como ferramenta teórico-prática para contribuir com a operacionalização das premissas da ESF ? integralidade, co-responsabilidade, sensibilidade ao contexto local, à multiplicidade e a diversidade dos atores sociais envolvidos. Empiricamente, trata-se da análise de um grupo de hipertensão que ocorre semanalmente em uma Unidade de Saúde da Família de Ribeirão Preto-SP/Brasil, utilizando o conceito de Responsabilidade Relacional (RR) como ferramenta teórico/prática, contribuindo na construção de intervenções colaborativas e co-responsáveis em saúde. Para coleta de dados utilizei os registros do prontuário do grupo; sua áudio-gravação durante o primeiro semestre de 2005; e o registro em notas de campo. A análise de dados consistiu da transcrição das conversas grupais, realização de leitura extensiva de todas as suas conversas gerando a construção de uma crônica do grupo e de eixos processuais. Os três eixos de análise selecionados focaram para aspectos conversacionais deste grupo e seu contexto relacional diferenciado. No primeiro eixo, abordou-se o grupo como um espaço para a expressão dos participantes, proporcionando a construção e negociação coletiva das necessidades de saúde; no segundo, os recortes mostraram este grupo exercendo um elo entre a unidade de saúde e a comunidade, e finalmente no terceiro, o grupo foi tomado como espaço privilegiado de acolhimento aos participantes, favorecendo conversas para ampliação de sentidos na saúde, como também sua transformação. Assim, a análise deu visibilidade a posturas de RR dentro dos processos conversacionais, promovendo diversidade e multiplicidade e favorecendo vínculo e engajamento. Desta forma, aponto a importância das práticas dialógicas na construção de relações mais colaborativas entre trabalhadores de saúde-usuários, e a RR como recurso promotor de novas possibilidades em saúde.
publishDate 2007
dc.date.issued.fl_str_mv 2007-08-09
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
format doctoralThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://doi.org/10.11606/T.22.2007.tde-05102007-113033
url https://doi.org/10.11606/T.22.2007.tde-05102007-113033
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.publisher.program.fl_str_mv Enfermagem em Saúde Pública
dc.publisher.initials.fl_str_mv USP
dc.publisher.country.fl_str_mv BR
publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
instname:Universidade de São Paulo (USP)
instacron:USP
instname_str Universidade de São Paulo (USP)
instacron_str USP
institution USP
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)
repository.mail.fl_str_mv virginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.br
_version_ 1786376586100998144