Jean-Luc Godard no Brasil: da recepção à interdição (1961-1970)

Na bibliografia brasileira, Jean-Luc Godard aparece com destaque em pesquisas sobre o cinema brasileiro moderno e sobre a história da censura cinematográfica no país. O realizador franco-suíço é descrito como uma referência fundamental para alguns cineastas brasileiros modernos, como um norteador do...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2018
Main Author: Luiz Octavio Gracini Ancona
Orientador/a: Francisco Cabral Alambert Junior
Banca: Marcos Francisco Napolitano de Eugênio, Adilson Inacio Mendes, Mateus Araújo Silva
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade de São Paulo
Programa: História Social
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-25032019-112239/
Resumo Português:Na bibliografia brasileira, Jean-Luc Godard aparece com destaque em pesquisas sobre o cinema brasileiro moderno e sobre a história da censura cinematográfica no país. O realizador franco-suíço é descrito como uma referência fundamental para alguns cineastas brasileiros modernos, como um norteador dos debates travados em nossa crítica e como um objeto de atenção especial por parte dos censores da ditadura militar. Partindo desse lugar privilegiado conferido a Godard, esta pesquisa investigou historicamente a recepção e a interdição dos filmes do cineasta no Brasil no período entre 1961 e 1970. Em um primeiro momento (capítulos 1 a 3), analisamos os debates estéticos e políticos suscitados na crítica pelos filmes de Godard em três jornais de grande veiculação do período (Correio da manhã, Jornal do Brasil e O Estado de S. Paulo); em seguida (capítulo 4), identificamos as apropriações que os críticos-cineastas Glauber Rocha e Rogério Sganzerla realizaram da obra godardiana em seus escritos; e, por fim (capítulo 5), abordamos a documentação censória relativa aos filmes do realizador. Dessa maneira, constatamos o importante papel que Godard desempenhou na conformação do cinema brasileiro moderno, bem como o impacto que sua obra exerceu, cultural e politicamente, no país. Conforme evidenciaremos, naquele momento havia uma conjuntura sociocultural modernista, de esquerda e jovem que favoreceu a recepção do cineasta no Brasil. Ao mesmo tempo em que foi lida à luz de tal conjuntura, a obra godardiana atuou enquanto seu catalisador, estimulando novos projetos e debates em seu interior. O cineasta foi instrumentalizado por projetos de vanguarda no cinema e em ouras artes, estimulou a politização de esquerda e dialogou com os anseios de uma cultura jovem e libertária em expansão. Paralelamente, confirmamos a atenção especial que Godard recebeu dos censores da ditadura militar brasileira. Afinal, a ditadura se opunha a tal conjuntura e, por isso, viu no cineasta um perigo a ser combatido, uma vez que seus filmes atentavam contra os dois pilares básicos da ideologia que norteava o regime, o anticomunismo e a moral conservadora. Conforme demonstraremos, tal atenção especial se deu sobretudo nos anos 1970, mas teve suas raízes em 1968, quando duas películas de Godard foram interditadas e uma imagem extremamente negativa do realizador foi consolidada no órgão censório.
Resumo inglês:In the Brazilian literature, Jean-Luc Godard appears prominently in researches on modern Brazilian cinema and on the history of cinematographic censorship in the country. The Franco-Swiss director is described as a fundamental reference for some modern Brazilian filmmakers; as a guiding force on the debates held within our critique; and as an object of special attention by the censors of the military dictatorship. From this privileged place conferred to Godard, this research historically investigated the reception and interdiction of his films, in Brazil, between 1961 and 1970. First (Chapters 1 to 3), we analyze the aesthetic and political debates raised in criticism of Godard\'s films in three major newspapers of the given period (Correio da manhã, Jornal do Brasil and O Estado de S. Paulo). Then (Chapter 4), we identify the appropriations of the Godardian word made by the critical-filmmakers Glauber Rocha and Rogério Sganzerla. Finally (Chapter 5), we approach the censorship documentation relating to the director\'s films. Our findings showed the important role Godard played in the conformation of modern Brazilian cinema, as well as the impact that his work exerted, culturally and politically, in the country. As we will show, the socio-cultural context of the time modernist, leftist and youthful favored the filmmakers reception in Brazil. At the same time as it was read in the light of such a conjuncture, Godard\'s work acted as a catalyst for it, stimulating new projects and debates within. The filmmaker was instrumented by avant-garde projects in the cinema and in other arts, and then stimulated the politicization of the left and dialogued with the yearnings of a young and libertarian culture in expansion. We also found evidence of the special attention that Godard received from the censors of the Brazilian military dictatorship. Opposed to the referred conjuncture, the dictatorship saw in the filmmaker a danger to be fought, since his films were against the two basic pillars of the regime: anticommunism and conservative morality. As we will show, he received such special attention mainly in the 1970s, but it had its roots in 1968 when two of Godard\'s films were banned and an extremely negative image of the filmmaker was consolidated by the censorship.