Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2015
Autor(a) principal: Marina Jorge Pulga
Orientador(a): Haydée Fiszbein Wertzner
Banca de defesa: Simone Aparecida Capellini, Luciana Paula Maximino, Luciana de Oliveira Pagan Neves
Tipo de documento: Tese
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação: Ciências da Reabilitação
Departamento: Não Informado pela instituição
País: BR
Link de acesso: https://doi.org/10.11606/T.5.2016.tde-24022016-152025
Resumo: INTRODUÇÃO: Atualmente há poucos testes de habilidades metafonológicas normatizados e padronizados para os falantes do Português-Brasileiro (PB). Desta forma a tradução e a adaptação de testes internacionais se tornaram um recurso valioso para os pesquisadores brasileiros. OBJETIVO: O presente estudo teve como objetivos traduzir e adaptar o protocolo e o manual do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition (LAC 3) do Inglês-Americano (IA) para o PB, respeitando as equivalências transculturais (Estudo 1), assim como realizar a aplicação da versão final do LAC 3 traduzido e adaptado em um estudo piloto com crianças falantes do PB (Estudo 2). MÉTODO: Para o Estudo 1 foi realizado um levantamento das características dos estímulos do LAC 3 quanto às estruturas silábicas utilizadas, aos tipos de fonemas que compõem as estruturas silábicas, e, aos tipos de atividades de manipulação solicitadas para os itens do teste. Desta forma, os estímulos foram traduzidos de acordo com o levantamento, e apenas o manual de aplicação do LAC 3 foi traduzido de forma direta do IA para o PB. A tradução dos estímulos foi avaliada por dois juízes experientes, e assim, adaptados em uma versão final do teste para o PB (LAC 3 - Adaptado). A avaliação da confiabilidade dos estímulos foi realizada com a consistência interna de Kuder-Richardson 20 (KR20). Para tal, foram analisados os itens de cada categoria (I-a, I-b, II, III e IV, exceto a Categoria V) da aplicação no grupo controle (GC), com 33 crianças sem alterações de fala e linguagem. Os coeficientes KR20 maiores que 0,7 foram considerados aceitáveis. Para o Estudo 2, o LAC 3 - Adaptado foi aplicado em um estudo piloto com 66 crianças, sendo 33 do GC e 33 do grupo pesquisa (GP), composto por crianças com TF. Comparações entre GC e GP foram feitas quanto aos três tipos de pontuação do teste, assim como, os valores de referência para a pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado foram calculados por meio de percentis. As crianças do GP aprovadas e reprovadas na sondagem do LAC 3 - Adaptado foram comparadas com provas que avaliam a fonologia. RESULTADOS: No Estudo 1, o levantamento dos estímulos foi minucioso e respeitou as equivalências entre as culturas. A avaliação dos juízes determinou modificações que resultaram na versão final do LAC 3 - Adaptado. O KR20 da Categoria I-a (0,68) foi muito próximo do aceitável, podendo ser melhorado se um dentre três itens fosse excluído (0,74). O KR20 da Categoria I-b (0,78) foi aceitável, mas pode ser melhorado se um item for excluído (0,85). E já os KR20 das categorias II (0,97), III (0,97) e IV (0,96) foram altos e podem ser considerados aceitáveis. No Estudo 2, a pontuação bruta das categorias I-a, I-b e III diferenciaram os grupos, uma vez que as crianças do GP apresentaram pior desempenho. Com os novos valores de referências para a pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado, as crianças falantes do PB podem ser classificadas qualitativamente de forma a refletir um desempenho real no teste. As crianças mais novas com TF foram as com maior dificuldade na sondagem e na prova de aliteração diferente. CONCLUSÃO: No Estudo 1, o levantamento dos estímulos originais do LAC 3 e a avaliação dos juízes foram efetivos, sendo que a tradução inicial e adaptação dos estímulos foram concretizados de maneira apropriada para o PB, e as equivalências foram mantidas com o idioma do teste. A análise da consistência interna dos itens confirmou a confiabilidade da tradução e adaptação dos estímulos do LAC 3. No Estudo 2, foi demonstrado diferenças significativas entre as crianças com e sem TF, sendo que as crianças reprovadas na sondagem tem TF, são mais novas e mostraram dificuldade na prova de aliteração diferente. Os novos valores de referências (percentil) para a classificação qualitativa da pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado são mais eficazes para classificar as crianças falantes do PB
id USP_836a06c70cb7086f0e47368d990d1483
oai_identifier_str oai:teses.usp.br:tde-24022016-152025
network_acronym_str USP
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository_id_str
spelling info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/doctoralThesis Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico Translation and adaptation of the Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: a study of children with and without speech sound disorder 2015-12-07Haydée Fiszbein WertznerSimone Aparecida CapelliniLuciana Paula MaximinoLuciana de Oliveira Pagan NevesMarina Jorge PulgaUniversidade de São PauloCiências da ReabilitaçãoUSPBR Articulation disorders Auditory perception Comparação transcultural Cross-cultural comparison Desenvolvimento da linguagem Language development Percepção auditiva Psicometria Psychometrics Tradução Translating Transtornos da articulação INTRODUÇÃO: Atualmente há poucos testes de habilidades metafonológicas normatizados e padronizados para os falantes do Português-Brasileiro (PB). Desta forma a tradução e a adaptação de testes internacionais se tornaram um recurso valioso para os pesquisadores brasileiros. OBJETIVO: O presente estudo teve como objetivos traduzir e adaptar o protocolo e o manual do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition (LAC 3) do Inglês-Americano (IA) para o PB, respeitando as equivalências transculturais (Estudo 1), assim como realizar a aplicação da versão final do LAC 3 traduzido e adaptado em um estudo piloto com crianças falantes do PB (Estudo 2). MÉTODO: Para o Estudo 1 foi realizado um levantamento das características dos estímulos do LAC 3 quanto às estruturas silábicas utilizadas, aos tipos de fonemas que compõem as estruturas silábicas, e, aos tipos de atividades de manipulação solicitadas para os itens do teste. Desta forma, os estímulos foram traduzidos de acordo com o levantamento, e apenas o manual de aplicação do LAC 3 foi traduzido de forma direta do IA para o PB. A tradução dos estímulos foi avaliada por dois juízes experientes, e assim, adaptados em uma versão final do teste para o PB (LAC 3 - Adaptado). A avaliação da confiabilidade dos estímulos foi realizada com a consistência interna de Kuder-Richardson 20 (KR20). Para tal, foram analisados os itens de cada categoria (I-a, I-b, II, III e IV, exceto a Categoria V) da aplicação no grupo controle (GC), com 33 crianças sem alterações de fala e linguagem. Os coeficientes KR20 maiores que 0,7 foram considerados aceitáveis. Para o Estudo 2, o LAC 3 - Adaptado foi aplicado em um estudo piloto com 66 crianças, sendo 33 do GC e 33 do grupo pesquisa (GP), composto por crianças com TF. Comparações entre GC e GP foram feitas quanto aos três tipos de pontuação do teste, assim como, os valores de referência para a pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado foram calculados por meio de percentis. As crianças do GP aprovadas e reprovadas na sondagem do LAC 3 - Adaptado foram comparadas com provas que avaliam a fonologia. RESULTADOS: No Estudo 1, o levantamento dos estímulos foi minucioso e respeitou as equivalências entre as culturas. A avaliação dos juízes determinou modificações que resultaram na versão final do LAC 3 - Adaptado. O KR20 da Categoria I-a (0,68) foi muito próximo do aceitável, podendo ser melhorado se um dentre três itens fosse excluído (0,74). O KR20 da Categoria I-b (0,78) foi aceitável, mas pode ser melhorado se um item for excluído (0,85). E já os KR20 das categorias II (0,97), III (0,97) e IV (0,96) foram altos e podem ser considerados aceitáveis. No Estudo 2, a pontuação bruta das categorias I-a, I-b e III diferenciaram os grupos, uma vez que as crianças do GP apresentaram pior desempenho. Com os novos valores de referências para a pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado, as crianças falantes do PB podem ser classificadas qualitativamente de forma a refletir um desempenho real no teste. As crianças mais novas com TF foram as com maior dificuldade na sondagem e na prova de aliteração diferente. CONCLUSÃO: No Estudo 1, o levantamento dos estímulos originais do LAC 3 e a avaliação dos juízes foram efetivos, sendo que a tradução inicial e adaptação dos estímulos foram concretizados de maneira apropriada para o PB, e as equivalências foram mantidas com o idioma do teste. A análise da consistência interna dos itens confirmou a confiabilidade da tradução e adaptação dos estímulos do LAC 3. No Estudo 2, foi demonstrado diferenças significativas entre as crianças com e sem TF, sendo que as crianças reprovadas na sondagem tem TF, são mais novas e mostraram dificuldade na prova de aliteração diferente. Os novos valores de referências (percentil) para a classificação qualitativa da pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado são mais eficazes para classificar as crianças falantes do PB INTRODUCTION: Currently there are few normalized and standardized tests of metaphonological skills for Brazilian-Portuguese (BP) speakers. Thus, the translation and adaptation of international tests have become a valuable resource for Brazilian researchers. OBJECTIVE: The present study aimed to translate and adapt the protocol and manual of the Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition from American-English (AE) to BP, respecting the cross-cultural equivalence (Study 1), as well to perform the application of the final version of the LAC 3 translated and adapted in a pilot study with BP speaking children (Study 2). METHOD: For the Study 1 it was accomplished a survey of the LAC 3 stimulus characteristics, as the syllabic structures used, the types of phonemes that compose the syllabic structures, and the types of manipulation activities required for the test items. Thus, the stimulus were translated according to the survey, and only the LAC 3 application manual was translated directly from the EA to BP. The stimulus translation were evaluated by two experienced judges, and then adapted in a final version of the test in BP (LAC 3 - Adapted). The evaluation of the reliability considered the internal consistency of Kuder-Richardson 20 (KR20). For such, it were analyzed the items in each category (Ia, Ib, II, III and IV, except the Category V) of the application in the control group (CG), with 33 children with normal development of speech and language. The KR20 coefficients higher then 0,7 were considered acceptable. For the Study 2, was applied the LAC 3 - Adapted in a pilot study with 66 children, being 33 from CG and 33 from the research group (RG), formed by children with speech sound disorder. Were made comparison between CG and RG regarding three types of the test score, as well it was calculated references values for the standard score of the LAC 3 - Adapted by means of percentiles. The approved and excluded RG children in the LAC 3 - Adapted precheck were compared with phonology tests. RESULTS: In Study 1, the stimulus survey was thorough and respected the cross-cultural equivalences. The judges evaluation determined modifications that resulted in the final version of the LAC 3 - Adapted. The KR20 of the Category I-a (0.68) was very close to the acceptable and can be improved if one of three items were excluded (0.74). The KR20 of the Category I-b (0.78) was acceptable but can be improved if an item is deleted (0.85). And the KR20 of the categories II (0.97), III (0.97) and IV (0.96) were high and can be considered acceptable. In Study 2, the raw score of the categories I-a, I-b and III differentiated the groups, since the RG children showed worse performance. With the new reference values for the LAC 3 - Adapted standard score, the BP speakers can be qualitatively classified to reflect a real test performance. Younger children with SSD were the ones with more difficulty in the precheck and in the different alliteration test. CONCLUSION: In Study 1, the LAC 3 stimulus survey and the judges evaluation were effective, being that the initial translation and stimulus adaptation were appropriately implemented to BP, and the equivalences were maintained with the test language. The internal consistency analysis of the items confirmed the reliability of the translation and adaptation of the LAC 3 stimulus. In Study 2, it demonstrated significant differences between children with and without SSD, and the children who failed in the precheck has SSD, are younger and showed difficulty in the different alliteration test. The new reference values (percentiles) for the qualitative classification of the standard score of the LAC 3 - Adapted are more effective to classify BP speaking children https://doi.org/10.11606/T.5.2016.tde-24022016-152025info:eu-repo/semantics/openAccessporreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USPinstname:Universidade de São Paulo (USP)instacron:USP2023-12-21T20:01:30Zoai:teses.usp.br:tde-24022016-152025Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttp://www.teses.usp.br/PUBhttp://www.teses.usp.br/cgi-bin/mtd2br.plvirginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.bropendoar:27212018-10-02T20:03:01Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)false
dc.title.pt.fl_str_mv Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Translation and adaptation of the Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: a study of children with and without speech sound disorder
title Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
spellingShingle Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
Marina Jorge Pulga
title_short Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
title_full Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
title_fullStr Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
title_full_unstemmed Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
title_sort Tradução e adaptação do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition: um estudo em crianças com e sem transtorno fonológico
author Marina Jorge Pulga
author_facet Marina Jorge Pulga
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Haydée Fiszbein Wertzner
dc.contributor.referee1.fl_str_mv Simone Aparecida Capellini
dc.contributor.referee2.fl_str_mv Luciana Paula Maximino
dc.contributor.referee3.fl_str_mv Luciana de Oliveira Pagan Neves
dc.contributor.author.fl_str_mv Marina Jorge Pulga
contributor_str_mv Haydée Fiszbein Wertzner
Simone Aparecida Capellini
Luciana Paula Maximino
Luciana de Oliveira Pagan Neves
description INTRODUÇÃO: Atualmente há poucos testes de habilidades metafonológicas normatizados e padronizados para os falantes do Português-Brasileiro (PB). Desta forma a tradução e a adaptação de testes internacionais se tornaram um recurso valioso para os pesquisadores brasileiros. OBJETIVO: O presente estudo teve como objetivos traduzir e adaptar o protocolo e o manual do Lindamood Auditory Conceptualization Test - 3rd edition (LAC 3) do Inglês-Americano (IA) para o PB, respeitando as equivalências transculturais (Estudo 1), assim como realizar a aplicação da versão final do LAC 3 traduzido e adaptado em um estudo piloto com crianças falantes do PB (Estudo 2). MÉTODO: Para o Estudo 1 foi realizado um levantamento das características dos estímulos do LAC 3 quanto às estruturas silábicas utilizadas, aos tipos de fonemas que compõem as estruturas silábicas, e, aos tipos de atividades de manipulação solicitadas para os itens do teste. Desta forma, os estímulos foram traduzidos de acordo com o levantamento, e apenas o manual de aplicação do LAC 3 foi traduzido de forma direta do IA para o PB. A tradução dos estímulos foi avaliada por dois juízes experientes, e assim, adaptados em uma versão final do teste para o PB (LAC 3 - Adaptado). A avaliação da confiabilidade dos estímulos foi realizada com a consistência interna de Kuder-Richardson 20 (KR20). Para tal, foram analisados os itens de cada categoria (I-a, I-b, II, III e IV, exceto a Categoria V) da aplicação no grupo controle (GC), com 33 crianças sem alterações de fala e linguagem. Os coeficientes KR20 maiores que 0,7 foram considerados aceitáveis. Para o Estudo 2, o LAC 3 - Adaptado foi aplicado em um estudo piloto com 66 crianças, sendo 33 do GC e 33 do grupo pesquisa (GP), composto por crianças com TF. Comparações entre GC e GP foram feitas quanto aos três tipos de pontuação do teste, assim como, os valores de referência para a pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado foram calculados por meio de percentis. As crianças do GP aprovadas e reprovadas na sondagem do LAC 3 - Adaptado foram comparadas com provas que avaliam a fonologia. RESULTADOS: No Estudo 1, o levantamento dos estímulos foi minucioso e respeitou as equivalências entre as culturas. A avaliação dos juízes determinou modificações que resultaram na versão final do LAC 3 - Adaptado. O KR20 da Categoria I-a (0,68) foi muito próximo do aceitável, podendo ser melhorado se um dentre três itens fosse excluído (0,74). O KR20 da Categoria I-b (0,78) foi aceitável, mas pode ser melhorado se um item for excluído (0,85). E já os KR20 das categorias II (0,97), III (0,97) e IV (0,96) foram altos e podem ser considerados aceitáveis. No Estudo 2, a pontuação bruta das categorias I-a, I-b e III diferenciaram os grupos, uma vez que as crianças do GP apresentaram pior desempenho. Com os novos valores de referências para a pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado, as crianças falantes do PB podem ser classificadas qualitativamente de forma a refletir um desempenho real no teste. As crianças mais novas com TF foram as com maior dificuldade na sondagem e na prova de aliteração diferente. CONCLUSÃO: No Estudo 1, o levantamento dos estímulos originais do LAC 3 e a avaliação dos juízes foram efetivos, sendo que a tradução inicial e adaptação dos estímulos foram concretizados de maneira apropriada para o PB, e as equivalências foram mantidas com o idioma do teste. A análise da consistência interna dos itens confirmou a confiabilidade da tradução e adaptação dos estímulos do LAC 3. No Estudo 2, foi demonstrado diferenças significativas entre as crianças com e sem TF, sendo que as crianças reprovadas na sondagem tem TF, são mais novas e mostraram dificuldade na prova de aliteração diferente. Os novos valores de referências (percentil) para a classificação qualitativa da pontuação padrão do LAC 3 - Adaptado são mais eficazes para classificar as crianças falantes do PB
publishDate 2015
dc.date.issued.fl_str_mv 2015-12-07
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
format doctoralThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://doi.org/10.11606/T.5.2016.tde-24022016-152025
url https://doi.org/10.11606/T.5.2016.tde-24022016-152025
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.publisher.program.fl_str_mv Ciências da Reabilitação
dc.publisher.initials.fl_str_mv USP
dc.publisher.country.fl_str_mv BR
publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
instname:Universidade de São Paulo (USP)
instacron:USP
instname_str Universidade de São Paulo (USP)
instacron_str USP
institution USP
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)
repository.mail.fl_str_mv virginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.br
_version_ 1786377103433793536