Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2015
Autor(a) principal: Luis Felipe Bismarchi
Orientador(a): Maria Cecilia Loschiavo dos Santos
Banca de defesa: Sylmara Lopes Francelino Gonçalves Dias, Ana Cristina Limongi Franca, Derk Loorbach, Armindo dos Santos de Sousa Teodosio
Tipo de documento: Tese
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação: Ciência Ambiental
Departamento: Não Informado pela instituição
País: BR
Link de acesso: https://doi.org/10.11606/T.106.2015.tde-05092015-150250
Resumo: A crise de 2008 deflagrou uma onda de questionamentos em relação à contribuição social dos bancos dada às inovações financeiras que atendiam desejos gananciosos enquanto milhões de pessoas continuavam excluídas de crédito e de cidadania, tem-se aí um quadro de crise de legitimidade. O desafio da sustentabilidade se torna cada vez mais popular, fazendo com que a crescente preocupação com os impactos socioambientais das nossas ações seja incorporada ao conjunto de valores da sociedade com impacto, também, sobre a licença social para os bancos existirem, dado que por trás de muitos empreendimentos que devastam nossos capitais social e natural tem o financiamento bancário. O que fazer perante uma crise desta? Trabalhar para retornar ao estado anterior à eclosão do problema ou assumir a responsabilidade para a mudança? Esta tese visa a olhar como os bancos podem responder aos desafios deste cenário de convergências de crise (notadamente, uma econômica e outra ambiental). Mostramos que ao adotarem a transição para a sustentabilidade como negócio central implicando em práticas que não parecem economicamente atraentes (ou responsável), como o financiamento para atingir uma escala ótima de produção e consumo, o fomento ao decrescimento ou à estabilização para manter esta escala, o uso de moedas complementares junto a moedas convencionais e a organização de processos em rede, na verdade, estão desenvolvendo e explorando a nova fonte de vantagem competitiva e de manutenção dos bancos a longo prazo, trazendo diversos benefícios para a empresa e para a sociedade, numa verdadeira relação simbiótica.
id USP_e9c5b51bafc4cb8fbc42f203999579ab
oai_identifier_str oai:teses.usp.br:tde-05092015-150250
network_acronym_str USP
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository_id_str
spelling info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/doctoralThesis Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade Accelerating the transformation: an essay on banks, currency, networks and the transition to sustainability 2015-08-19Maria Cecilia Loschiavo dos SantosSylmara Lopes Francelino Gonçalves DiasAna Cristina Limongi FrancaDerk LoorbachArmindo dos Santos de Sousa TeodosioLuis Felipe BismarchiUniversidade de São PauloCiência AmbientalUSPBR Bancos Banks complementary currencies gestão da transição innovation. inovação. moedas complementares sustainability sustentabilidade transition management A crise de 2008 deflagrou uma onda de questionamentos em relação à contribuição social dos bancos dada às inovações financeiras que atendiam desejos gananciosos enquanto milhões de pessoas continuavam excluídas de crédito e de cidadania, tem-se aí um quadro de crise de legitimidade. O desafio da sustentabilidade se torna cada vez mais popular, fazendo com que a crescente preocupação com os impactos socioambientais das nossas ações seja incorporada ao conjunto de valores da sociedade com impacto, também, sobre a licença social para os bancos existirem, dado que por trás de muitos empreendimentos que devastam nossos capitais social e natural tem o financiamento bancário. O que fazer perante uma crise desta? Trabalhar para retornar ao estado anterior à eclosão do problema ou assumir a responsabilidade para a mudança? Esta tese visa a olhar como os bancos podem responder aos desafios deste cenário de convergências de crise (notadamente, uma econômica e outra ambiental). Mostramos que ao adotarem a transição para a sustentabilidade como negócio central implicando em práticas que não parecem economicamente atraentes (ou responsável), como o financiamento para atingir uma escala ótima de produção e consumo, o fomento ao decrescimento ou à estabilização para manter esta escala, o uso de moedas complementares junto a moedas convencionais e a organização de processos em rede, na verdade, estão desenvolvendo e explorando a nova fonte de vantagem competitiva e de manutenção dos bancos a longo prazo, trazendo diversos benefícios para a empresa e para a sociedade, numa verdadeira relação simbiótica. The 2008 crisis triggered a wave of questions concerning the social contribution of banks given the financial innovations that met greedy desires while millions of people were still excluded from credit and citizenship, that brings us to a legitimacy crisis. The sustainability challenge becomes increasingly popular, that is, or growing concern about the social and environmental impacts of our actions becomes embedded in our societys set of values. That has a strong impact on the social license for banks to operate, given that many projects that devastate our social and natural capital are bank financed. What to do before such a crisis? Work hard to return to the state before the onset of the problem or take responsibility for change? This thesis aims to answer how banks can meet the challenges of this scenario of converging crises (notably, an economic and an environmental crisis). We show that by adopting the transition to sustainability as a core business resulting in practices that do not seem economically attractive (or responsible), as funding to achieve an optimal scale of production and consumption, and then promoting the decrease or stabilization to maintain this scale, the use of complementary currencies with conventional ones and creating network processes, in fact, are actually developing and exploring the new source of competitive advantage and maintenance of banks operations in the long term, bringing many benefits to companies and to society, in a true symbiotic relationship. https://doi.org/10.11606/T.106.2015.tde-05092015-150250info:eu-repo/semantics/openAccessporreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USPinstname:Universidade de São Paulo (USP)instacron:USP2023-12-21T18:16:40Zoai:teses.usp.br:tde-05092015-150250Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttp://www.teses.usp.br/PUBhttp://www.teses.usp.br/cgi-bin/mtd2br.plvirginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.bropendoar:27212016-07-28T16:11:57Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)false
dc.title.pt.fl_str_mv Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Accelerating the transformation: an essay on banks, currency, networks and the transition to sustainability
title Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
spellingShingle Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
Luis Felipe Bismarchi
title_short Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
title_full Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
title_fullStr Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
title_full_unstemmed Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
title_sort Acelerando a transformação: um ensaio sobre bancos, moedas, redes e a transição para a sustentabilidade
author Luis Felipe Bismarchi
author_facet Luis Felipe Bismarchi
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Maria Cecilia Loschiavo dos Santos
dc.contributor.referee1.fl_str_mv Sylmara Lopes Francelino Gonçalves Dias
dc.contributor.referee2.fl_str_mv Ana Cristina Limongi Franca
dc.contributor.referee3.fl_str_mv Derk Loorbach
dc.contributor.referee4.fl_str_mv Armindo dos Santos de Sousa Teodosio
dc.contributor.author.fl_str_mv Luis Felipe Bismarchi
contributor_str_mv Maria Cecilia Loschiavo dos Santos
Sylmara Lopes Francelino Gonçalves Dias
Ana Cristina Limongi Franca
Derk Loorbach
Armindo dos Santos de Sousa Teodosio
description A crise de 2008 deflagrou uma onda de questionamentos em relação à contribuição social dos bancos dada às inovações financeiras que atendiam desejos gananciosos enquanto milhões de pessoas continuavam excluídas de crédito e de cidadania, tem-se aí um quadro de crise de legitimidade. O desafio da sustentabilidade se torna cada vez mais popular, fazendo com que a crescente preocupação com os impactos socioambientais das nossas ações seja incorporada ao conjunto de valores da sociedade com impacto, também, sobre a licença social para os bancos existirem, dado que por trás de muitos empreendimentos que devastam nossos capitais social e natural tem o financiamento bancário. O que fazer perante uma crise desta? Trabalhar para retornar ao estado anterior à eclosão do problema ou assumir a responsabilidade para a mudança? Esta tese visa a olhar como os bancos podem responder aos desafios deste cenário de convergências de crise (notadamente, uma econômica e outra ambiental). Mostramos que ao adotarem a transição para a sustentabilidade como negócio central implicando em práticas que não parecem economicamente atraentes (ou responsável), como o financiamento para atingir uma escala ótima de produção e consumo, o fomento ao decrescimento ou à estabilização para manter esta escala, o uso de moedas complementares junto a moedas convencionais e a organização de processos em rede, na verdade, estão desenvolvendo e explorando a nova fonte de vantagem competitiva e de manutenção dos bancos a longo prazo, trazendo diversos benefícios para a empresa e para a sociedade, numa verdadeira relação simbiótica.
publishDate 2015
dc.date.issued.fl_str_mv 2015-08-19
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
format doctoralThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://doi.org/10.11606/T.106.2015.tde-05092015-150250
url https://doi.org/10.11606/T.106.2015.tde-05092015-150250
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.publisher.program.fl_str_mv Ciência Ambiental
dc.publisher.initials.fl_str_mv USP
dc.publisher.country.fl_str_mv BR
publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
instname:Universidade de São Paulo (USP)
instacron:USP
instname_str Universidade de São Paulo (USP)
instacron_str USP
institution USP
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)
repository.mail.fl_str_mv virginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.br
_version_ 1786376584639283200