Avaliação dos efeitos do Canabidiol sobre os parâmetros inflamatórios e comportamentais em modelo experimental de meningite pneumocócica

Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, para obtenção do título de Doutor em Ciências da Saúde.

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Ceretta, Renan Antonio
Orientador/a: Barichello, Tatiana
Format: Tese
Language:por
Assuntos em Português:
Online Access:http://repositorio.unesc.net/handle/1/3860
Resumo Português:A meningite bacteriana é uma grave infecção do sistema nervoso central (SNC), caracterizada por uma intensa resposta inflamatória nas meninges e no espaço subaracnóide. Esta inflamação gera uma exacerbada resposta imune lesionando o tecido neuronal causando prejuízos de aprendizagem e memória. Estudos utilizando o canabidiol (CBD), um composto não psicotrópico derivado da Cannabis sativa têm demonstrado seus efeitos benéficos em modelos pré-clínicos de inflamação e lesão tecidual, incluindo o seu poder antioxidante e propriedades anti-inflamatórias, protegendo neurônios contra estímulos neurotóxicos ou neurodegenerativos. O objetivo desse estudo é demonstrar a ação do CBD sobre os parâmetros inflamatórios e comportamentais em ratos Wistar adultos submetidos ao modelo experimental de meningite pneumocócica. Os animais foram submetidos à injeção na cisterna magna de 10 μL de suspensão bacteriana de Streptococcus pneumoniae ou volume equivalente de líquido cefalorraquidiano (LCR) artificial para o grupo controle. Para avaliação dos níveis de fator de necrose tumoral alpha (TNF-α), interleucina (IL)-1β, IL-6, citocina quimiotática indutora de neutrófilos-1 (CINC-1) e fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) os animais foram divididos em controle, meningite/salina, meningite/CBD 2,5 mg/kg, meningite/CBD 5 mg/kg e meningite/CBD 10 mg/kg e o CBD foi administrado via intraperitoneal (i.p) imediatamente após a indução da meningite, seis horas após a injeção os animais foram mortos e o hipocampo e córtex pré-frontal retirados. Para a avaliação comportamental, 18 horas após a indução foi iniciado o tratamento com ceftriaxona e CBD. Para o teste de esquiva inibitória os animais foram divididos nos mesmos grupos acima descritos e receberam CBD uma vez ao dia durante nove dias e para a realização do teste de habituação ao campo aberto e reconhecimento de objetos os animais foram divididos em grupos controle, controle/CBD 10 mg/kg, meningite/salina e meningite/CBD 10 mg/kg e receberam CBD uma vez ao dia durante nove dias. No décimo dia após a indução os animais foram mortos e as estruturas cerebrais hipocampo e córtex pré-frontal retiradas para dosagens de TNF-α e BDNF. Os níveis de TNF-α e CINC-1 foram aumentados em todos os grupos meningites tratados ou não com CBD comparado ao grupo controle no hipocampo e no córtex pré-frontal e os níveis de BDNF foram aumentados nos mesmos grupos. No hipocampo os níveis de TNFα e BDNF não apresentaram alterações. Estes resultados demonstram que o tratamento com CBD desempenha um papel anti-inflamatório na meningite pneumocócica e previne danos cognitivos, possivelmente representando uma nova abordagem farmacológica no tratamento dessa grave infecção do SNC.