Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2003
Autor(a) principal: Jarczewski, Carla Adriane
Orientador(a): Pereira, Rosemary Ricarda Petrik
Banca de defesa: Não Informado pela instituição
Tipo de documento: Dissertação
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Não Informado pela instituição
Programa de Pós-Graduação: Não Informado pela instituição
Departamento: Não Informado pela instituição
País: Não Informado pela instituição
Palavras-chave em Português:
Link de acesso: http://hdl.handle.net/10183/164810
Resumo: O broncoespasmo induzido por exercício (BIE) é um achado freqüente em asmáticos e entre atletas de elite saudáveis, ocorrendo em cerca de 10 a 15% desses indivíduos. O papel do treinamento físico no controle de adolescentes com BIE é controverso. Os objetivos do estudo foram determinar a resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício e o efeito do treinamento físico regular sobre a mesma. Foi realizado um estudo transversal incluindo voluntários do sexo masculino, com idade entre 12 e 18 anos, não asmáticos e asmáticos em remissão, treinados e não treinados. A presença de asma em remissão foi identificada através de um questionário para detecção de doenças respiratórias e o treinamento através do cálculo do consumo máximo de O2. Foram realizados avaliação clínica, espirometria pré-teste e teste de broncoprovocação por exercício em esteira ergométrica. O esforço na esteira foi aumentado gradativamente até ser atingido 75% da freqüência cardíaca máxima e mantido durante seis minutos. A espirometria foi repetida 3, 5, 10, 15, 20 e 30 minutos após concluído o esforço. Foram consideradas significativas quedas após o exercício de VEF1 > 15% e/ou FEF 25-75% > 25%. Completaram a avaliação 79 indivíduos, divididos em quatro subgrupos: asmáticos não treinados – ANT (n = 16), asmáticos treinados – AT (n= 9), não asmáticos treinados – NAT (n= 31) e não asmáticos não treinados – NANT (n=23). As características antropométricas e os valores obtidos na espirometria pré-teste foram semelhantes entre os subgrupos (p> 0,05). A prevalência de teste de broncoprovocação por exercício positivo foi de 17,7% se tomada a amostra como um todo e não houve diferença significativa entre os subgrupos (p= 0,319). Houve diferença estatisticamente significativa entre a queda máxima em percentual do VEF1 e do FEF 25-75% se comparados asmáticos e não asmáticos (p< 0,001 e p= 0,042), mas não entre treinados e não treinados (p= 0,067 e p= 0,992). A partir de nossa amostra e, nas condições em que o estudo foi realizado, podemos concluir que o treinamento, por si só, não alterou o resultado do teste de broncoprovocação por exercício em asmáticos em remissão.
id URGS_a785e8bb9b24d9f5cdd3add8907ced61
oai_identifier_str oai:www.lume.ufrgs.br:10183/164810
network_acronym_str URGS
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
repository_id_str
spelling Jarczewski, Carla AdrianePereira, Rosemary Ricarda PetrikProlla, João Carlos2017-08-03T02:42:48Z2003http://hdl.handle.net/10183/164810001027523O broncoespasmo induzido por exercício (BIE) é um achado freqüente em asmáticos e entre atletas de elite saudáveis, ocorrendo em cerca de 10 a 15% desses indivíduos. O papel do treinamento físico no controle de adolescentes com BIE é controverso. Os objetivos do estudo foram determinar a resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício e o efeito do treinamento físico regular sobre a mesma. Foi realizado um estudo transversal incluindo voluntários do sexo masculino, com idade entre 12 e 18 anos, não asmáticos e asmáticos em remissão, treinados e não treinados. A presença de asma em remissão foi identificada através de um questionário para detecção de doenças respiratórias e o treinamento através do cálculo do consumo máximo de O2. Foram realizados avaliação clínica, espirometria pré-teste e teste de broncoprovocação por exercício em esteira ergométrica. O esforço na esteira foi aumentado gradativamente até ser atingido 75% da freqüência cardíaca máxima e mantido durante seis minutos. A espirometria foi repetida 3, 5, 10, 15, 20 e 30 minutos após concluído o esforço. Foram consideradas significativas quedas após o exercício de VEF1 > 15% e/ou FEF 25-75% > 25%. Completaram a avaliação 79 indivíduos, divididos em quatro subgrupos: asmáticos não treinados – ANT (n = 16), asmáticos treinados – AT (n= 9), não asmáticos treinados – NAT (n= 31) e não asmáticos não treinados – NANT (n=23). As características antropométricas e os valores obtidos na espirometria pré-teste foram semelhantes entre os subgrupos (p> 0,05). A prevalência de teste de broncoprovocação por exercício positivo foi de 17,7% se tomada a amostra como um todo e não houve diferença significativa entre os subgrupos (p= 0,319). Houve diferença estatisticamente significativa entre a queda máxima em percentual do VEF1 e do FEF 25-75% se comparados asmáticos e não asmáticos (p< 0,001 e p= 0,042), mas não entre treinados e não treinados (p= 0,067 e p= 0,992). A partir de nossa amostra e, nas condições em que o estudo foi realizado, podemos concluir que o treinamento, por si só, não alterou o resultado do teste de broncoprovocação por exercício em asmáticos em remissão.Exercise-induced bronchospasm (EIB) is a frequent finding in asthmatics and amid healthy elite athletes. The role played by physical training in the control of EIB in adolescents is controversial. The aims of this study were to determine the spirometric response of young asthmatics under remission to exercise challenge to the airways and the effect of regular physical training on it. A transversal study was performed with male volunteers, 12 to 18 years old, including non-asthmatics and asthmatics under remission. Participants were trained and untrained subjects. Asthma in remission was identified through a questionnaire for detection of respiratory conditions and the degree of training according to the maximal oxygen consumption (VO2 max) calculated. Clinical, spirometric and ergometric treadmill exercise challenge evaluations were performed. The load was gradually risen until 75% os the maximal heart rate was attained and maintained for six minute. Spirometry was repeated 3, 5, 10, 15, 20 and 30 minutes after the conclusion of the exercise. Falls superior to 15% in FEV1 and/or 25% in FEF 25-75% after challenge were considered significant. The 79 subjects who concluded the study were further divided in four subgroups: 16 untrained asthmatics (ANT), 9 trained asthmatics (AT), 31 trained non-asthmatics (NAT) and 23 untrained non-asthmatics (NANT). The anthropometric characteristics and the pre-test spirometric results were comparable in all the subgroups (p > 0,05). The prevalence of a positive exercise challenge test in the whole sample was 17,7%;; there was no significant difference between the subgroups (p= 0,319). A statistically significant difference for the maximal fall in the FEV1 and in FEF 25-75% (both taken as percent of predicted values) was found when compared asthmatics to non-asthmatics (p< 0,001 and p= 0,042, respectively) but not between trained and untrained subgroups (p= 0,067 and p= 0,992). According to our sample and under the conditions of this study we may conclude that training did not alter the result of the exercise challenge test in asthmatics under remission.application/pdfporAsma induzida por exercícioEspasmo brônquicoExercícioResposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamentoSpirometric response to exercise challenge: Effect of training info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/masterThesisUniversidade Federal do Rio Grande do SulFaculdade de MedicinaPrograma de Pós-Graduação em Medicina: Pneumologia (até 2006)Porto Alegre, BR-RS2003mestradoinfo:eu-repo/semantics/openAccessreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGSinstname:Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)instacron:UFRGSORIGINAL001027523.pdf001027523.pdfTexto completoapplication/pdf1039095http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/164810/1/001027523.pdfd9c9d472217f75d34484fa15fcfe9ddfMD51TEXT001027523.pdf.txt001027523.pdf.txtExtracted Texttext/plain169462http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/164810/2/001027523.pdf.txt716da6d29a5a59af41a3a6b89b629132MD52THUMBNAIL001027523.pdf.jpg001027523.pdf.jpgGenerated Thumbnailimage/jpeg1185http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/164810/3/001027523.pdf.jpg241cfddefa9c9f22afdbe6f216b0d703MD5310183/1648102018-10-18 08:50:28.349oai:www.lume.ufrgs.br:10183/164810Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttps://lume.ufrgs.br/handle/10183/2PUBhttps://lume.ufrgs.br/oai/requestlume@ufrgs.br||lume@ufrgs.bropendoar:18532018-10-18T11:50:28Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)false
dc.title.pt_BR.fl_str_mv Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Spirometric response to exercise challenge: Effect of training
title Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
spellingShingle Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
Jarczewski, Carla Adriane
Asma induzida por exercício
Espasmo brônquico
Exercício
title_short Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
title_full Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
title_fullStr Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
title_full_unstemmed Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
title_sort Resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício : efeito do treinamento
author Jarczewski, Carla Adriane
author_facet Jarczewski, Carla Adriane
author_role author
dc.contributor.author.fl_str_mv Jarczewski, Carla Adriane
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Pereira, Rosemary Ricarda Petrik
dc.contributor.advisor-co1.fl_str_mv Prolla, João Carlos
contributor_str_mv Pereira, Rosemary Ricarda Petrik
Prolla, João Carlos
dc.subject.por.fl_str_mv Asma induzida por exercício
Espasmo brônquico
Exercício
topic Asma induzida por exercício
Espasmo brônquico
Exercício
description O broncoespasmo induzido por exercício (BIE) é um achado freqüente em asmáticos e entre atletas de elite saudáveis, ocorrendo em cerca de 10 a 15% desses indivíduos. O papel do treinamento físico no controle de adolescentes com BIE é controverso. Os objetivos do estudo foram determinar a resposta espirométrica de asmáticos em remissão à broncoprovocação por exercício e o efeito do treinamento físico regular sobre a mesma. Foi realizado um estudo transversal incluindo voluntários do sexo masculino, com idade entre 12 e 18 anos, não asmáticos e asmáticos em remissão, treinados e não treinados. A presença de asma em remissão foi identificada através de um questionário para detecção de doenças respiratórias e o treinamento através do cálculo do consumo máximo de O2. Foram realizados avaliação clínica, espirometria pré-teste e teste de broncoprovocação por exercício em esteira ergométrica. O esforço na esteira foi aumentado gradativamente até ser atingido 75% da freqüência cardíaca máxima e mantido durante seis minutos. A espirometria foi repetida 3, 5, 10, 15, 20 e 30 minutos após concluído o esforço. Foram consideradas significativas quedas após o exercício de VEF1 > 15% e/ou FEF 25-75% > 25%. Completaram a avaliação 79 indivíduos, divididos em quatro subgrupos: asmáticos não treinados – ANT (n = 16), asmáticos treinados – AT (n= 9), não asmáticos treinados – NAT (n= 31) e não asmáticos não treinados – NANT (n=23). As características antropométricas e os valores obtidos na espirometria pré-teste foram semelhantes entre os subgrupos (p> 0,05). A prevalência de teste de broncoprovocação por exercício positivo foi de 17,7% se tomada a amostra como um todo e não houve diferença significativa entre os subgrupos (p= 0,319). Houve diferença estatisticamente significativa entre a queda máxima em percentual do VEF1 e do FEF 25-75% se comparados asmáticos e não asmáticos (p< 0,001 e p= 0,042), mas não entre treinados e não treinados (p= 0,067 e p= 0,992). A partir de nossa amostra e, nas condições em que o estudo foi realizado, podemos concluir que o treinamento, por si só, não alterou o resultado do teste de broncoprovocação por exercício em asmáticos em remissão.
publishDate 2003
dc.date.issued.fl_str_mv 2003
dc.date.accessioned.fl_str_mv 2017-08-03T02:42:48Z
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/masterThesis
format masterThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv http://hdl.handle.net/10183/164810
dc.identifier.nrb.pt_BR.fl_str_mv 001027523
url http://hdl.handle.net/10183/164810
identifier_str_mv 001027523
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.format.none.fl_str_mv application/pdf
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
instname:Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
instacron:UFRGS
instname_str Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
instacron_str UFRGS
institution UFRGS
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS
bitstream.url.fl_str_mv http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/164810/1/001027523.pdf
http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/164810/2/001027523.pdf.txt
http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/10183/164810/3/001027523.pdf.jpg
bitstream.checksum.fl_str_mv d9c9d472217f75d34484fa15fcfe9ddf
716da6d29a5a59af41a3a6b89b629132
241cfddefa9c9f22afdbe6f216b0d703
bitstream.checksumAlgorithm.fl_str_mv MD5
MD5
MD5
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
repository.mail.fl_str_mv lume@ufrgs.br||lume@ufrgs.br
_version_ 1797065085318856704