Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2021
Autor(a) principal: Larissa Neves Monteiro Paulo
Orientador(a): Sandro Rogerio de Almeida
Banca de defesa: Joilson de Oliveira Martins, Leonardo Nimrichter
Tipo de documento: Dissertação
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação: Farmácia (Análise Clínicas)
Departamento: Não Informado pela instituição
País: BR
Link de acesso: https://doi.org/10.11606/D.9.2021.tde-05082021-113550
Resumo: A cromoblastomicose é uma doença subcutânea de alta incidência, considerada um desafio por muitos profissionais, pelo fato de não possuir tratamento eficiente, nem profilático. Um dos agentes causadores dessa doença é o fungo Fonsecaea pedrosoi. Devido à cronicidade, os mecanismos de escape do fungo, componentes de parede entre outros aspectos, na infecção as taxas de cura são baixas de uma forma geral. A CBM apresenta-se na região podal, e com menor frequência em mãos e braços. Observa-se a presença de lesão papular de superfície lisa e eritematosa que gradualmente aumenta de tamanho e se torna descamativa. Os mecanismos imunológicos envolvidos na prevenção e controle da infecção por F. pedrosoi ainda são desconhecidos. Alguns estudos têm focado na interação fungo-hospedeiro, mostrando que a ativação da resposta imune celular do tipo Th1, é a mais importante no controle da infecção. Nos últimos anos, vários aspectos da biologia de células dendríticas foram esclarecidos e com isso, novas estratégias de tratamento e vacinação utilizando-se essas células têm sido empregadas. O racional para o uso de células dendríticas como o ponto principal para o desenvolvimento de estratégias de vacinação e imunoterapia, baseia-se nas propriedades biológicas dessas células, de possuir os processos de captura, processamento e apresentação de antígenos a linfócitos T \"naive\", que são altamente eficientes, resultando em uma resposta imune específica, interagindo o sistema imune inato e adaptativo. Considerando a epidemiologia da cromoblastomicose no Brasil e o desconhecimento da relação parasito-hospedeiro, propomos estudar a interação de células dendríticas frente aos conídios de F. pedrosoi, desenvolvendo uma estratégia de vacinação baseada nas propriedades dessas células, interagidas com agonistas de via TLR e pulsadas com o fungo. Nossos experimentos mostraram que o agonista de via TLR2 (Pam3CSK4) induziu no curso da infecção, um aumento significativo de células B e células T de perfil fenotípico CD4+ e CD8+, assim como a citocina pró-inflamatória IL-17. Esses resultados indicam que, as células dendríticas previamente ativadas com agonitas de TLR2, podem ser promissoras no processo de vacinação na CBM experimental, porém mais estudos são necessários para uma melhor compreensão dos mecanismos efetores dessa resposta imunológica.
id USP_3738e8c0b9083a48d3af702a1d5fa934
oai_identifier_str oai:teses.usp.br:tde-05082021-113550
network_acronym_str USP
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository_id_str
spelling info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/masterThesis Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental 2021-04-23Sandro Rogerio de AlmeidaJoilson de Oliveira MartinsLeonardo NimrichterLarissa Neves Monteiro PauloUniversidade de São PauloFarmácia (Análise Clínicas)USPBR Cell migration Células dendríticas Chromoblastomycosis Cromoblastomicose Dendritic cell F. pedrosoi F. pedrosoi Migração celular A cromoblastomicose é uma doença subcutânea de alta incidência, considerada um desafio por muitos profissionais, pelo fato de não possuir tratamento eficiente, nem profilático. Um dos agentes causadores dessa doença é o fungo Fonsecaea pedrosoi. Devido à cronicidade, os mecanismos de escape do fungo, componentes de parede entre outros aspectos, na infecção as taxas de cura são baixas de uma forma geral. A CBM apresenta-se na região podal, e com menor frequência em mãos e braços. Observa-se a presença de lesão papular de superfície lisa e eritematosa que gradualmente aumenta de tamanho e se torna descamativa. Os mecanismos imunológicos envolvidos na prevenção e controle da infecção por F. pedrosoi ainda são desconhecidos. Alguns estudos têm focado na interação fungo-hospedeiro, mostrando que a ativação da resposta imune celular do tipo Th1, é a mais importante no controle da infecção. Nos últimos anos, vários aspectos da biologia de células dendríticas foram esclarecidos e com isso, novas estratégias de tratamento e vacinação utilizando-se essas células têm sido empregadas. O racional para o uso de células dendríticas como o ponto principal para o desenvolvimento de estratégias de vacinação e imunoterapia, baseia-se nas propriedades biológicas dessas células, de possuir os processos de captura, processamento e apresentação de antígenos a linfócitos T \"naive\", que são altamente eficientes, resultando em uma resposta imune específica, interagindo o sistema imune inato e adaptativo. Considerando a epidemiologia da cromoblastomicose no Brasil e o desconhecimento da relação parasito-hospedeiro, propomos estudar a interação de células dendríticas frente aos conídios de F. pedrosoi, desenvolvendo uma estratégia de vacinação baseada nas propriedades dessas células, interagidas com agonistas de via TLR e pulsadas com o fungo. Nossos experimentos mostraram que o agonista de via TLR2 (Pam3CSK4) induziu no curso da infecção, um aumento significativo de células B e células T de perfil fenotípico CD4+ e CD8+, assim como a citocina pró-inflamatória IL-17. Esses resultados indicam que, as células dendríticas previamente ativadas com agonitas de TLR2, podem ser promissoras no processo de vacinação na CBM experimental, porém mais estudos são necessários para uma melhor compreensão dos mecanismos efetores dessa resposta imunológica. Chromoblastomycosis is a subcutaneous disease of high incidence, considered a challenge by many professionals, due to the fact that it does not have an efficient or prophylactic treatment. One of the causative agents of this disease is the fungus Fonsecaea pedrosoi. Due to chronicity, the escape mechanisms of the fungus, wall components and other aspects, in infection the cure rates are generally low. CBM is present in the foot region, and less frequently in the hands and arms. The presence of a papular lesion with a smooth and erythematous surface is observed, which gradually increases in size and becomes scaly. The immunological mechanisms involved in the prevention and control of F. pedrosoi infection are still unknown. Some studies have focused on the fungus-host interaction, showing that the activation of the Th1-type cellular immune response is the most important in controlling infection. In recent years, several aspects of the biology of dendritic cells have been clarified and with this, new treatment and vaccination strategies using these cells have been employed. The rationale for the use of dendritic cells as the main point for the development of vaccination and immunotherapy strategies is based on the biological properties of these cells, of having the processes of capture, processing and presentation of antigens to \"naive\" T lymphocytes, which they are highly efficient, resulting in a specific immune response, interacting the innate and adaptive immune system. Considering the epidemiology of chromoblastomycosis in Brazil and the ignorance of the parasite-host relationship, we propose to study the interaction of dendritic cells against the conidia of F. pedrosoi, developing a vaccination strategy based on the properties of these cells interacted with agonists of TLR pathway and pulsed with the fungus. Our experiments showed that the TLR2 pathway agonist (Pam3CSK4) induced, in the course of infection, a significant increase in B cells and T cells with a phenotypic profile CD4 + and CD8 +, as well as the pro-inflammatory cytokine IL-17. These results indicate that dendritic cells previously activated with TLR2 agonites may present an effective immunization against murine CBM. https://doi.org/10.11606/D.9.2021.tde-05082021-113550info:eu-repo/semantics/openAccessporreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USPinstname:Universidade de São Paulo (USP)instacron:USP2023-12-21T18:16:29Zoai:teses.usp.br:tde-05082021-113550Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttp://www.teses.usp.br/PUBhttp://www.teses.usp.br/cgi-bin/mtd2br.plvirginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.bropendoar:27212021-08-13T14:02:02Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)false
dc.title.pt.fl_str_mv Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
title Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
spellingShingle Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
Larissa Neves Monteiro Paulo
title_short Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
title_full Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
title_fullStr Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
title_full_unstemmed Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
title_sort Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas com agonistas das vias TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental (OU) Avaliação da resposta imune induzida por células dendríticas previamente ativadas por Fonsecaea pedrosoi e agonistas das vias de TLR-2 e TLR-9 na Cromoblastomicose experimental
author Larissa Neves Monteiro Paulo
author_facet Larissa Neves Monteiro Paulo
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Sandro Rogerio de Almeida
dc.contributor.referee1.fl_str_mv Joilson de Oliveira Martins
dc.contributor.referee2.fl_str_mv Leonardo Nimrichter
dc.contributor.author.fl_str_mv Larissa Neves Monteiro Paulo
contributor_str_mv Sandro Rogerio de Almeida
Joilson de Oliveira Martins
Leonardo Nimrichter
description A cromoblastomicose é uma doença subcutânea de alta incidência, considerada um desafio por muitos profissionais, pelo fato de não possuir tratamento eficiente, nem profilático. Um dos agentes causadores dessa doença é o fungo Fonsecaea pedrosoi. Devido à cronicidade, os mecanismos de escape do fungo, componentes de parede entre outros aspectos, na infecção as taxas de cura são baixas de uma forma geral. A CBM apresenta-se na região podal, e com menor frequência em mãos e braços. Observa-se a presença de lesão papular de superfície lisa e eritematosa que gradualmente aumenta de tamanho e se torna descamativa. Os mecanismos imunológicos envolvidos na prevenção e controle da infecção por F. pedrosoi ainda são desconhecidos. Alguns estudos têm focado na interação fungo-hospedeiro, mostrando que a ativação da resposta imune celular do tipo Th1, é a mais importante no controle da infecção. Nos últimos anos, vários aspectos da biologia de células dendríticas foram esclarecidos e com isso, novas estratégias de tratamento e vacinação utilizando-se essas células têm sido empregadas. O racional para o uso de células dendríticas como o ponto principal para o desenvolvimento de estratégias de vacinação e imunoterapia, baseia-se nas propriedades biológicas dessas células, de possuir os processos de captura, processamento e apresentação de antígenos a linfócitos T \"naive\", que são altamente eficientes, resultando em uma resposta imune específica, interagindo o sistema imune inato e adaptativo. Considerando a epidemiologia da cromoblastomicose no Brasil e o desconhecimento da relação parasito-hospedeiro, propomos estudar a interação de células dendríticas frente aos conídios de F. pedrosoi, desenvolvendo uma estratégia de vacinação baseada nas propriedades dessas células, interagidas com agonistas de via TLR e pulsadas com o fungo. Nossos experimentos mostraram que o agonista de via TLR2 (Pam3CSK4) induziu no curso da infecção, um aumento significativo de células B e células T de perfil fenotípico CD4+ e CD8+, assim como a citocina pró-inflamatória IL-17. Esses resultados indicam que, as células dendríticas previamente ativadas com agonitas de TLR2, podem ser promissoras no processo de vacinação na CBM experimental, porém mais estudos são necessários para uma melhor compreensão dos mecanismos efetores dessa resposta imunológica.
publishDate 2021
dc.date.issued.fl_str_mv 2021-04-23
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/masterThesis
format masterThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://doi.org/10.11606/D.9.2021.tde-05082021-113550
url https://doi.org/10.11606/D.9.2021.tde-05082021-113550
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.publisher.program.fl_str_mv Farmácia (Análise Clínicas)
dc.publisher.initials.fl_str_mv USP
dc.publisher.country.fl_str_mv BR
publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
instname:Universidade de São Paulo (USP)
instacron:USP
instname_str Universidade de São Paulo (USP)
instacron_str USP
institution USP
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)
repository.mail.fl_str_mv virginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.br
_version_ 1786376583234191360