Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2007
Autor(a) principal: Helena Fagundes
Orientador(a): Carlos Augusto Fernandes de Oliveira
Banca de defesa: Elaine Cristina Pereira De Martinis, Antonio Nader Filho, João Alberto Negrão, Marcos Veiga dos Santos
Tipo de documento: Tese
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação: Zootecnia
Departamento: Não Informado pela instituição
País: BR
Link de acesso: https://doi.org/10.11606/T.74.2007.tde-24042007-103157
Resumo: O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência de S. aureus e E. coli O157: H7 no leite de vacas com mastite subclínica e no leite de mistura de 42 propriedades leiteiras localizadas em duas regiões do Estado de São Paulo: São Carlos e Ribeirão Preto. Paralelamente, entre os isolados de S. aureus foi objetivo identificar os produtores de toxinas e determinar sua origem epidemiológica. O isolamento de S. aureus foi realizado em agar Baird-Parker (35ºC, 48h) e a confirmação bioquímica através da catalase, coagulase, termonuclease, produção de acetoína e fermentação aeróbia da maltose. O isolamento de E. coli O157: H7 foi realizado em agar Sorbitol MacConkey MUG (35ºC, 24h). Para confirmação utilizaram-se as provas do IMVC e sorologia através do kit Soro Anti E. coli O157. Para a detecção da TSST-1 e das enterotoxinas A, B, C e D utilizou-se aglutinação reversa passiva em látex (RPLA). A identificação epidemiológica dos isolados de S. aureus foi realizada por eletroforese em gel de campo pulsado (PFGE). A ocorrência de S. aureus no leite individual nas regiões 1 (São Carlos) e 2 (Ribeirão Preto) foram 3,9% e 6,7%, respectivamente. Animais pertencentes às propriedades leiteiras com produção entre 400 L e 1.000 L/dia apresentaram maior risco de veiculação de S. aureus através do leite quando comparadas com propriedades com produção 1.000 L/dia. Quanto ao leite de mistura, verificou-se que a ocorrência de S. aureus foi a mesma em ambas as regiões (19%). A produção simultânea das enterotoxinas B e C foi observada em 4,7% dos isolados de leite individual, enquanto que 4,7% produziram enterotoxina A e toxina TSST-1. A produção de TSST-1, isoladamente, foi constatada em 14,3% dos isolados de leite individual e em 25% do leite de mistura. Houve similaridade genética entre os isolados de S. aureus, evidenciando sua dispersão epidemiológica entre as propriedades avaliadas. A ocorrência de E. coli O157: H7 no leite individual foi 1% na região 1 e 1,6% na região 2. No leite de mistura não foi detectada E. coli O157: H7. Ressalte-se a importância de medidas preventivas para assegurar a qualidade do leite durante a ordenha, a fim de evitar a ocorrência de microrganismos patogênicos, principalmente S. aureus, e conseqüentemente prevenir riscos de veiculação de toxinfecções através deste alimento.
id USP_e197a620b4778d7ab5cb22d8c418294b
oai_identifier_str oai:teses.usp.br:tde-24042007-103157
network_acronym_str USP
network_name_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository_id_str
spelling info:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/doctoralThesis Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo Staphylococcus aureus and Escherichia coli O157: H7 occurrence in dairy herds located in São Paulo State 2007-02-09Carlos Augusto Fernandes de OliveiraElaine Cristina Pereira De MartinisAntonio Nader FilhoJoão Alberto NegrãoMarcos Veiga dos SantosHelena FagundesUniversidade de São PauloZootecniaUSPBR E. coli O157: H7 Escherichia coli O157: H7 S. aureus Staphylococcus aureus Dairy cows Mastite Mastitis Milk quality Public Health Qualidade do leite Saúde Pública Vacas leiteiras O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência de S. aureus e E. coli O157: H7 no leite de vacas com mastite subclínica e no leite de mistura de 42 propriedades leiteiras localizadas em duas regiões do Estado de São Paulo: São Carlos e Ribeirão Preto. Paralelamente, entre os isolados de S. aureus foi objetivo identificar os produtores de toxinas e determinar sua origem epidemiológica. O isolamento de S. aureus foi realizado em agar Baird-Parker (35ºC, 48h) e a confirmação bioquímica através da catalase, coagulase, termonuclease, produção de acetoína e fermentação aeróbia da maltose. O isolamento de E. coli O157: H7 foi realizado em agar Sorbitol MacConkey MUG (35ºC, 24h). Para confirmação utilizaram-se as provas do IMVC e sorologia através do kit Soro Anti E. coli O157. Para a detecção da TSST-1 e das enterotoxinas A, B, C e D utilizou-se aglutinação reversa passiva em látex (RPLA). A identificação epidemiológica dos isolados de S. aureus foi realizada por eletroforese em gel de campo pulsado (PFGE). A ocorrência de S. aureus no leite individual nas regiões 1 (São Carlos) e 2 (Ribeirão Preto) foram 3,9% e 6,7%, respectivamente. Animais pertencentes às propriedades leiteiras com produção entre 400 L e 1.000 L/dia apresentaram maior risco de veiculação de S. aureus através do leite quando comparadas com propriedades com produção 1.000 L/dia. Quanto ao leite de mistura, verificou-se que a ocorrência de S. aureus foi a mesma em ambas as regiões (19%). A produção simultânea das enterotoxinas B e C foi observada em 4,7% dos isolados de leite individual, enquanto que 4,7% produziram enterotoxina A e toxina TSST-1. A produção de TSST-1, isoladamente, foi constatada em 14,3% dos isolados de leite individual e em 25% do leite de mistura. Houve similaridade genética entre os isolados de S. aureus, evidenciando sua dispersão epidemiológica entre as propriedades avaliadas. A ocorrência de E. coli O157: H7 no leite individual foi 1% na região 1 e 1,6% na região 2. No leite de mistura não foi detectada E. coli O157: H7. Ressalte-se a importância de medidas preventivas para assegurar a qualidade do leite durante a ordenha, a fim de evitar a ocorrência de microrganismos patogênicos, principalmente S. aureus, e conseqüentemente prevenir riscos de veiculação de toxinfecções através deste alimento. The aim of this study was to verify the occurrence of S. aureus and E. coli O157: H7 in the milk from dairy cows with subclinical mastitis and in the bulk milk from 42 dairy farms located in two regions of São Paulo State (Region 1: São Carlos, Region 2: Ribeirão Preto). Among the S. aureus strains isolated, the aim was to identify the toxin producers and their epidemiological origin. The isolation of S. aureus was conducted using Baird-Parker agar, and the strains were confirmed by catalase, coagulase, thermonuclease, maltose aerobic fermentation and acetoin production. The isolation of E. coli O157: H7 was conducted using Sorbitol MacConkey MUG agar. The strains were confirmed by IMVC and serology using anti E. coli O157 sera. Rapid passive latex agglutination was used for detection of TSST-1 and enterotoxigenic strains of S. aureus. The epidemiological identification was performed using pulsed field gel electrophoresis (PFGE). S. aureus was isolated from 3.9% and 6.7% of the individual milk samples from regions 1 and 2, respectively. Dairy cows belonging to farms with milk production ranging from 400 to 1.000 L/day showed higher risk of S. aureus carrying-over, when compared with dairy farms with milk production < 400 L/day and > 1.000 L/day. In bulk milk samples, the occurrence of S. aureus was the same in both regions evaluated (19%). The simultaneous production of enterotoxin B and C was observed in 4.7% of strains isolated from individual milk samples, while 4.7% produced both enterotoxin A and TSST-1. TSST-1 production alone was observed in 14.3% of S. aureus strains isolated from individual milk and 25% of bulk milk samples. S. aureus strains tested by PFGE demonstrated genetic similarity, showing the dispersion patterns of this microorganism among dairy farms. E. coli O157: H7 was isolated from 1% and 1.6% of individual milk samples from regions 1 and 2, respectively, although it was not detected in bulk milk samples. The importance of preventive measures to ensure milk quality during milking extraction is stressed, aiming to avoid pathogenic agents, mainly S. aureus, and therefore, to prevent the carry-over of food borne diseases to humans through milk. https://doi.org/10.11606/T.74.2007.tde-24042007-103157info:eu-repo/semantics/openAccessporreponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USPinstname:Universidade de São Paulo (USP)instacron:USP2023-12-21T20:02:15Zoai:teses.usp.br:tde-24042007-103157Biblioteca Digital de Teses e Dissertaçõeshttp://www.teses.usp.br/PUBhttp://www.teses.usp.br/cgi-bin/mtd2br.plvirginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.bropendoar:27212016-07-28T16:09:51Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)false
dc.title.pt.fl_str_mv Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
dc.title.alternative.en.fl_str_mv Staphylococcus aureus and Escherichia coli O157: H7 occurrence in dairy herds located in São Paulo State
title Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
spellingShingle Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
Helena Fagundes
title_short Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
title_full Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
title_fullStr Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
title_full_unstemmed Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
title_sort Ocorrência de Staphylococcus aureus e Escherichia coli O157:H7 em rebanhos leiteiros do Estado de São Paulo
author Helena Fagundes
author_facet Helena Fagundes
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv Carlos Augusto Fernandes de Oliveira
dc.contributor.referee1.fl_str_mv Elaine Cristina Pereira De Martinis
dc.contributor.referee2.fl_str_mv Antonio Nader Filho
dc.contributor.referee3.fl_str_mv João Alberto Negrão
dc.contributor.referee4.fl_str_mv Marcos Veiga dos Santos
dc.contributor.author.fl_str_mv Helena Fagundes
contributor_str_mv Carlos Augusto Fernandes de Oliveira
Elaine Cristina Pereira De Martinis
Antonio Nader Filho
João Alberto Negrão
Marcos Veiga dos Santos
description O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência de S. aureus e E. coli O157: H7 no leite de vacas com mastite subclínica e no leite de mistura de 42 propriedades leiteiras localizadas em duas regiões do Estado de São Paulo: São Carlos e Ribeirão Preto. Paralelamente, entre os isolados de S. aureus foi objetivo identificar os produtores de toxinas e determinar sua origem epidemiológica. O isolamento de S. aureus foi realizado em agar Baird-Parker (35ºC, 48h) e a confirmação bioquímica através da catalase, coagulase, termonuclease, produção de acetoína e fermentação aeróbia da maltose. O isolamento de E. coli O157: H7 foi realizado em agar Sorbitol MacConkey MUG (35ºC, 24h). Para confirmação utilizaram-se as provas do IMVC e sorologia através do kit Soro Anti E. coli O157. Para a detecção da TSST-1 e das enterotoxinas A, B, C e D utilizou-se aglutinação reversa passiva em látex (RPLA). A identificação epidemiológica dos isolados de S. aureus foi realizada por eletroforese em gel de campo pulsado (PFGE). A ocorrência de S. aureus no leite individual nas regiões 1 (São Carlos) e 2 (Ribeirão Preto) foram 3,9% e 6,7%, respectivamente. Animais pertencentes às propriedades leiteiras com produção entre 400 L e 1.000 L/dia apresentaram maior risco de veiculação de S. aureus através do leite quando comparadas com propriedades com produção 1.000 L/dia. Quanto ao leite de mistura, verificou-se que a ocorrência de S. aureus foi a mesma em ambas as regiões (19%). A produção simultânea das enterotoxinas B e C foi observada em 4,7% dos isolados de leite individual, enquanto que 4,7% produziram enterotoxina A e toxina TSST-1. A produção de TSST-1, isoladamente, foi constatada em 14,3% dos isolados de leite individual e em 25% do leite de mistura. Houve similaridade genética entre os isolados de S. aureus, evidenciando sua dispersão epidemiológica entre as propriedades avaliadas. A ocorrência de E. coli O157: H7 no leite individual foi 1% na região 1 e 1,6% na região 2. No leite de mistura não foi detectada E. coli O157: H7. Ressalte-se a importância de medidas preventivas para assegurar a qualidade do leite durante a ordenha, a fim de evitar a ocorrência de microrganismos patogênicos, principalmente S. aureus, e conseqüentemente prevenir riscos de veiculação de toxinfecções através deste alimento.
publishDate 2007
dc.date.issued.fl_str_mv 2007-02-09
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
format doctoralThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://doi.org/10.11606/T.74.2007.tde-24042007-103157
url https://doi.org/10.11606/T.74.2007.tde-24042007-103157
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.publisher.program.fl_str_mv Zootecnia
dc.publisher.initials.fl_str_mv USP
dc.publisher.country.fl_str_mv BR
publisher.none.fl_str_mv Universidade de São Paulo
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
instname:Universidade de São Paulo (USP)
instacron:USP
instname_str Universidade de São Paulo (USP)
instacron_str USP
institution USP
reponame_str Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
collection Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
repository.name.fl_str_mv Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP - Universidade de São Paulo (USP)
repository.mail.fl_str_mv virginia@if.usp.br|| atendimento@aguia.usp.br||virginia@if.usp.br
_version_ 1786377106778750976