Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar

Detalhes bibliográficos
Ano de defesa: 2007
Autor(a) principal: Chabel, José Carlos
Orientador(a): van Onselen, Valter Joost
Banca de defesa: Não Informado pela instituição
Tipo de documento: Dissertação
Tipo de acesso: Acesso aberto
Idioma: por
Instituição de defesa: Não Informado pela instituição
Programa de Pós-Graduação: Não Informado pela instituição
Departamento: Não Informado pela instituição
País: Não Informado pela instituição
Palavras-chave em Português:
Link de acesso: https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/941
Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito de um complexo homeopático(*) sobre a resposta imunológica de ovinos vacinados contra raiva com (recebendo 1,5% de MS/kg de PV de volumoso por dia) e sem (recebendo 2,5% de MS/kg de PV de volumoso por dia) restrição alimentar, distribuídos em quatro grupos: sem homeopatia e com restrição alimentar (NR); com homeopatia e com restrição alimentar (HR); com homeopatia e sem restrição alimentar (HN) e sem homeopatia e sem restrição alimentar (NN). Com 30 dias de restrição alimentar o grupo com homeopatia (HR) passou a apresentar um nível sérico médio de cortisol semelhante (p>0,05) aos dos grupos sem restrição (HN e NN), o que se observou no grupo sem homeopatia (NR) apenas com 75 dias de restrição. Aos 15 dias após a primo-vacinação, todos os animais possuíam titulações de anticorpos acima do nível mínimo de proteção (indicado pela Organização Mundial de Saúde como sendo de 0,5UI/mL). Embora a queda na concentração de anticorpos para níveis abaixo do mínimo de proteção já tenha ocorrido aos 30 dias após a vacinação em alguns ovinos de todos os grupos, apenas os animais do grupo HR mantiveram a concentração média acima deste nível de proteção durante 90 dias pósvacinação. Os modelos quadráticos que descrevem o comportamento da concentração de anticorpos nos primeiros 45 dias pós-vacinação estimam, em todos os grupos, titulações máximas entre o 25º e o 27º dia. O indicativo de uma diferença (p=0,054) entre a média da titulação de anticorpos do grupo HR e as médias dos demais grupos, seis dias após a vacinação, sugere que o nível sérico de proteção neste grupo possa ter sido atingido em um espaço de tempo mais curto do que nos demais grupos. Os modelos de regressão estimam concentrações séricas de anticorpos maiores para os animais com homeopatia (HN e HR) em relação aos que não receberam (NR e NN), obtendo-se, aos 15; 30 e 45 dias pós-vacinação, indicativos de diferenças entre suas as médias (p=0,067; p=0,091 e p<0,05 respectivamente). Conclui-se que existe um efeito do complexo homeopático sobre a resposta imunológica de ovinos primovacinados contra raiva capaz de provocar um aumento maior e mais rápido na concentração sérica de anticorpos.
id UFMS_1b78461c810660392ff2997b6685d79a
oai_identifier_str oai:repositorio.ufms.br:123456789/941
network_acronym_str UFMS
network_name_str Repositório Institucional da UFMS
repository_id_str
spelling 2011-12-05T16:17:34Z2021-09-30T19:55:45Z2007https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/941O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito de um complexo homeopático(*) sobre a resposta imunológica de ovinos vacinados contra raiva com (recebendo 1,5% de MS/kg de PV de volumoso por dia) e sem (recebendo 2,5% de MS/kg de PV de volumoso por dia) restrição alimentar, distribuídos em quatro grupos: sem homeopatia e com restrição alimentar (NR); com homeopatia e com restrição alimentar (HR); com homeopatia e sem restrição alimentar (HN) e sem homeopatia e sem restrição alimentar (NN). Com 30 dias de restrição alimentar o grupo com homeopatia (HR) passou a apresentar um nível sérico médio de cortisol semelhante (p>0,05) aos dos grupos sem restrição (HN e NN), o que se observou no grupo sem homeopatia (NR) apenas com 75 dias de restrição. Aos 15 dias após a primo-vacinação, todos os animais possuíam titulações de anticorpos acima do nível mínimo de proteção (indicado pela Organização Mundial de Saúde como sendo de 0,5UI/mL). Embora a queda na concentração de anticorpos para níveis abaixo do mínimo de proteção já tenha ocorrido aos 30 dias após a vacinação em alguns ovinos de todos os grupos, apenas os animais do grupo HR mantiveram a concentração média acima deste nível de proteção durante 90 dias pósvacinação. Os modelos quadráticos que descrevem o comportamento da concentração de anticorpos nos primeiros 45 dias pós-vacinação estimam, em todos os grupos, titulações máximas entre o 25º e o 27º dia. O indicativo de uma diferença (p=0,054) entre a média da titulação de anticorpos do grupo HR e as médias dos demais grupos, seis dias após a vacinação, sugere que o nível sérico de proteção neste grupo possa ter sido atingido em um espaço de tempo mais curto do que nos demais grupos. Os modelos de regressão estimam concentrações séricas de anticorpos maiores para os animais com homeopatia (HN e HR) em relação aos que não receberam (NR e NN), obtendo-se, aos 15; 30 e 45 dias pós-vacinação, indicativos de diferenças entre suas as médias (p=0,067; p=0,091 e p<0,05 respectivamente). Conclui-se que existe um efeito do complexo homeopático sobre a resposta imunológica de ovinos primovacinados contra raiva capaz de provocar um aumento maior e mais rápido na concentração sérica de anticorpos.The purpose of this study was to evaluate the effect of a homeopathic complex(*) on the immune response of sheep vaccinated against rabies with (1.5% DM/kg WB/day) and without (2.5% DM/kg WB/day) alimentary restriction, distributed in four groups as follows: Without homeopathy and with alimentary restriction (NR); with homeopathy and alimentary restriction (HR); with homeopathy and without alimentary restriction (HN), and without homeopathy and without alimentary restriction (NN). After 30 days of alimentary restriction, the group with homeopathy (HR) had already presented an average serum level of cortisol similar (p>0,05) to the groups without restriction (HN and NN). This was observed in the group without homeopathy (NR) only after 75 days of restriction. 15 days after postvaccination, all the animals had antibody titers above the minimum level of protection (recommended by the WHO as 0,5UI/mL). Although antibody concentration dropped under the minimum level of protection 30 days after the first vaccination in some sheep of all groups, only the HR group of animals kept the average concentration above the protection level during 90 days after vaccination. The quadratic models which describe the antibody concentration behavior on the first 45 days following vaccination estimate, in all groups, maximum titration rates between 25 and 27 days after vaccination. The indicator of a difference (p=0,054) between the average of antibody titers in group HR and the average of the other groups, six days after the first-vaccination, suggests that the serum level of protection in this group may have been obtained in a length of time shorter than in the other groups. Regression models estimate a higher serum concentration of antibodies for animals with homeopathy (HN and HR) in relation to animals which did not receive homeopathy (NR and NN), obtaining indicators of differences between their averages (p=0,067, p=0,091 e p<0,05 respectively), 15, 30 and 45 days after vaccination. This study has concluded that the homeopathic complex can affect the immune response of sheep primo-vaccinated against rabies, which can cause a higher and quicker rise in the serum concentration of antibodies.porCortisolHormônios GlicocorticóidesHormônios do Córtex AdrenalProdução AnimalHomeopatia VeterináriaNutrição AnimalEfeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentarinfo:eu-repo/semantics/publishedVersioninfo:eu-repo/semantics/masterThesisvan Onselen, Valter JoostChabel, José Carlosinfo:eu-repo/semantics/openAccessreponame:Repositório Institucional da UFMSinstname:Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)instacron:UFMSTHUMBNAILJosé Carlos Chabel.pdf.jpgJosé Carlos Chabel.pdf.jpgGenerated Thumbnailimage/jpeg1319https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/4/Jos%c3%a9%20Carlos%20Chabel.pdf.jpgd5387ae96bd817ecd5062b43edab0ad4MD54TEXTJosé Carlos Chabel.pdf.txtJosé Carlos Chabel.pdf.txtExtracted texttext/plain94509https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/3/Jos%c3%a9%20Carlos%20Chabel.pdf.txt05a2b3bae9b32e99ad1c1b00d4c76dbbMD53ORIGINALJosé Carlos Chabel.pdfJosé Carlos Chabel.pdfapplication/pdf1246808https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/1/Jos%c3%a9%20Carlos%20Chabel.pdf4dbe64271f915c953572e13f0fd8fb60MD51LICENSElicense.txtlicense.txttext/plain; charset=utf-81748https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/2/license.txt8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33MD52123456789/9412021-09-30 15:55:45.212oai:repositorio.ufms.br:123456789/941Tk9URTogUExBQ0UgWU9VUiBPV04gTElDRU5TRSBIRVJFClRoaXMgc2FtcGxlIGxpY2Vuc2UgaXMgcHJvdmlkZWQgZm9yIGluZm9ybWF0aW9uYWwgcHVycG9zZXMgb25seS4KCk5PTi1FWENMVVNJVkUgRElTVFJJQlVUSU9OIExJQ0VOU0UKCkJ5IHNpZ25pbmcgYW5kIHN1Ym1pdHRpbmcgdGhpcyBsaWNlbnNlLCB5b3UgKHRoZSBhdXRob3Iocykgb3IgY29weXJpZ2h0Cm93bmVyKSBncmFudHMgdG8gRFNwYWNlIFVuaXZlcnNpdHkgKERTVSkgdGhlIG5vbi1leGNsdXNpdmUgcmlnaHQgdG8gcmVwcm9kdWNlLAp0cmFuc2xhdGUgKGFzIGRlZmluZWQgYmVsb3cpLCBhbmQvb3IgZGlzdHJpYnV0ZSB5b3VyIHN1Ym1pc3Npb24gKGluY2x1ZGluZwp0aGUgYWJzdHJhY3QpIHdvcmxkd2lkZSBpbiBwcmludCBhbmQgZWxlY3Ryb25pYyBmb3JtYXQgYW5kIGluIGFueSBtZWRpdW0sCmluY2x1ZGluZyBidXQgbm90IGxpbWl0ZWQgdG8gYXVkaW8gb3IgdmlkZW8uCgpZb3UgYWdyZWUgdGhhdCBEU1UgbWF5LCB3aXRob3V0IGNoYW5naW5nIHRoZSBjb250ZW50LCB0cmFuc2xhdGUgdGhlCnN1Ym1pc3Npb24gdG8gYW55IG1lZGl1bSBvciBmb3JtYXQgZm9yIHRoZSBwdXJwb3NlIG9mIHByZXNlcnZhdGlvbi4KCllvdSBhbHNvIGFncmVlIHRoYXQgRFNVIG1heSBrZWVwIG1vcmUgdGhhbiBvbmUgY29weSBvZiB0aGlzIHN1Ym1pc3Npb24gZm9yCnB1cnBvc2VzIG9mIHNlY3VyaXR5LCBiYWNrLXVwIGFuZCBwcmVzZXJ2YXRpb24uCgpZb3UgcmVwcmVzZW50IHRoYXQgdGhlIHN1Ym1pc3Npb24gaXMgeW91ciBvcmlnaW5hbCB3b3JrLCBhbmQgdGhhdCB5b3UgaGF2ZQp0aGUgcmlnaHQgdG8gZ3JhbnQgdGhlIHJpZ2h0cyBjb250YWluZWQgaW4gdGhpcyBsaWNlbnNlLiBZb3UgYWxzbyByZXByZXNlbnQKdGhhdCB5b3VyIHN1Ym1pc3Npb24gZG9lcyBub3QsIHRvIHRoZSBiZXN0IG9mIHlvdXIga25vd2xlZGdlLCBpbmZyaW5nZSB1cG9uCmFueW9uZSdzIGNvcHlyaWdodC4KCklmIHRoZSBzdWJtaXNzaW9uIGNvbnRhaW5zIG1hdGVyaWFsIGZvciB3aGljaCB5b3UgZG8gbm90IGhvbGQgY29weXJpZ2h0LAp5b3UgcmVwcmVzZW50IHRoYXQgeW91IGhhdmUgb2J0YWluZWQgdGhlIHVucmVzdHJpY3RlZCBwZXJtaXNzaW9uIG9mIHRoZQpjb3B5cmlnaHQgb3duZXIgdG8gZ3JhbnQgRFNVIHRoZSByaWdodHMgcmVxdWlyZWQgYnkgdGhpcyBsaWNlbnNlLCBhbmQgdGhhdApzdWNoIHRoaXJkLXBhcnR5IG93bmVkIG1hdGVyaWFsIGlzIGNsZWFybHkgaWRlbnRpZmllZCBhbmQgYWNrbm93bGVkZ2VkCndpdGhpbiB0aGUgdGV4dCBvciBjb250ZW50IG9mIHRoZSBzdWJtaXNzaW9uLgoKSUYgVEhFIFNVQk1JU1NJT04gSVMgQkFTRUQgVVBPTiBXT1JLIFRIQVQgSEFTIEJFRU4gU1BPTlNPUkVEIE9SIFNVUFBPUlRFRApCWSBBTiBBR0VOQ1kgT1IgT1JHQU5JWkFUSU9OIE9USEVSIFRIQU4gRFNVLCBZT1UgUkVQUkVTRU5UIFRIQVQgWU9VIEhBVkUKRlVMRklMTEVEIEFOWSBSSUdIVCBPRiBSRVZJRVcgT1IgT1RIRVIgT0JMSUdBVElPTlMgUkVRVUlSRUQgQlkgU1VDSApDT05UUkFDVCBPUiBBR1JFRU1FTlQuCgpEU1Ugd2lsbCBjbGVhcmx5IGlkZW50aWZ5IHlvdXIgbmFtZShzKSBhcyB0aGUgYXV0aG9yKHMpIG9yIG93bmVyKHMpIG9mIHRoZQpzdWJtaXNzaW9uLCBhbmQgd2lsbCBub3QgbWFrZSBhbnkgYWx0ZXJhdGlvbiwgb3RoZXIgdGhhbiBhcyBhbGxvd2VkIGJ5IHRoaXMKbGljZW5zZSwgdG8geW91ciBzdWJtaXNzaW9uLgo=Repositório InstitucionalPUBhttps://repositorio.ufms.br/oai/requestri.prograd@ufms.bropendoar:21242021-09-30T19:55:45Repositório Institucional da UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)false
dc.title.pt_BR.fl_str_mv Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
title Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
spellingShingle Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
Chabel, José Carlos
Cortisol
Hormônios Glicocorticóides
Hormônios do Córtex Adrenal
Produção Animal
Homeopatia Veterinária
Nutrição Animal
title_short Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
title_full Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
title_fullStr Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
title_full_unstemmed Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
title_sort Efeitos de um complexo homeopático em ovinos sob condições de restrição alimentar
author Chabel, José Carlos
author_facet Chabel, José Carlos
author_role author
dc.contributor.advisor1.fl_str_mv van Onselen, Valter Joost
dc.contributor.author.fl_str_mv Chabel, José Carlos
contributor_str_mv van Onselen, Valter Joost
dc.subject.por.fl_str_mv Cortisol
Hormônios Glicocorticóides
Hormônios do Córtex Adrenal
Produção Animal
Homeopatia Veterinária
Nutrição Animal
topic Cortisol
Hormônios Glicocorticóides
Hormônios do Córtex Adrenal
Produção Animal
Homeopatia Veterinária
Nutrição Animal
description O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito de um complexo homeopático(*) sobre a resposta imunológica de ovinos vacinados contra raiva com (recebendo 1,5% de MS/kg de PV de volumoso por dia) e sem (recebendo 2,5% de MS/kg de PV de volumoso por dia) restrição alimentar, distribuídos em quatro grupos: sem homeopatia e com restrição alimentar (NR); com homeopatia e com restrição alimentar (HR); com homeopatia e sem restrição alimentar (HN) e sem homeopatia e sem restrição alimentar (NN). Com 30 dias de restrição alimentar o grupo com homeopatia (HR) passou a apresentar um nível sérico médio de cortisol semelhante (p>0,05) aos dos grupos sem restrição (HN e NN), o que se observou no grupo sem homeopatia (NR) apenas com 75 dias de restrição. Aos 15 dias após a primo-vacinação, todos os animais possuíam titulações de anticorpos acima do nível mínimo de proteção (indicado pela Organização Mundial de Saúde como sendo de 0,5UI/mL). Embora a queda na concentração de anticorpos para níveis abaixo do mínimo de proteção já tenha ocorrido aos 30 dias após a vacinação em alguns ovinos de todos os grupos, apenas os animais do grupo HR mantiveram a concentração média acima deste nível de proteção durante 90 dias pósvacinação. Os modelos quadráticos que descrevem o comportamento da concentração de anticorpos nos primeiros 45 dias pós-vacinação estimam, em todos os grupos, titulações máximas entre o 25º e o 27º dia. O indicativo de uma diferença (p=0,054) entre a média da titulação de anticorpos do grupo HR e as médias dos demais grupos, seis dias após a vacinação, sugere que o nível sérico de proteção neste grupo possa ter sido atingido em um espaço de tempo mais curto do que nos demais grupos. Os modelos de regressão estimam concentrações séricas de anticorpos maiores para os animais com homeopatia (HN e HR) em relação aos que não receberam (NR e NN), obtendo-se, aos 15; 30 e 45 dias pós-vacinação, indicativos de diferenças entre suas as médias (p=0,067; p=0,091 e p<0,05 respectivamente). Conclui-se que existe um efeito do complexo homeopático sobre a resposta imunológica de ovinos primovacinados contra raiva capaz de provocar um aumento maior e mais rápido na concentração sérica de anticorpos.
publishDate 2007
dc.date.issued.fl_str_mv 2007
dc.date.accessioned.fl_str_mv 2011-12-05T16:17:34Z
dc.date.available.fl_str_mv 2021-09-30T19:55:45Z
dc.type.status.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/publishedVersion
dc.type.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/masterThesis
format masterThesis
status_str publishedVersion
dc.identifier.uri.fl_str_mv https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/941
url https://repositorio.ufms.br/handle/123456789/941
dc.language.iso.fl_str_mv por
language por
dc.rights.driver.fl_str_mv info:eu-repo/semantics/openAccess
eu_rights_str_mv openAccess
dc.source.none.fl_str_mv reponame:Repositório Institucional da UFMS
instname:Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
instacron:UFMS
instname_str Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
instacron_str UFMS
institution UFMS
reponame_str Repositório Institucional da UFMS
collection Repositório Institucional da UFMS
bitstream.url.fl_str_mv https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/4/Jos%c3%a9%20Carlos%20Chabel.pdf.jpg
https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/3/Jos%c3%a9%20Carlos%20Chabel.pdf.txt
https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/1/Jos%c3%a9%20Carlos%20Chabel.pdf
https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/941/2/license.txt
bitstream.checksum.fl_str_mv d5387ae96bd817ecd5062b43edab0ad4
05a2b3bae9b32e99ad1c1b00d4c76dbb
4dbe64271f915c953572e13f0fd8fb60
8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33
bitstream.checksumAlgorithm.fl_str_mv MD5
MD5
MD5
MD5
repository.name.fl_str_mv Repositório Institucional da UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
repository.mail.fl_str_mv ri.prograd@ufms.br
_version_ 1801678653219667968